Resultados 1 a 8 de 8
  1. #1
    Super Moderador
    Data de Ingresso
    Sep 2010
    Localização
    Procurando...
    Posts
    4,106

    Data centers e sustentabilidade: dá para unir estes dois mundos?

    Por trás de uma grande empresa existe sempre um data center, certo? Mas, e por trás de um data center, quais é a infraestrutura necessária? Um belo refrigerador é uma das respostas mais óbvias. Para que as máquinas não peguem fogo (literalmente), enquanto trabalham sem parar, é preciso muito ar condicionado dentro dos ambientes. O único problema é que este tipo de refrigeração consome muita energia e, por isso, muitas pessoas já estão se questionando se este é o melhor método de manter as máquinas resfriadas.

    Atualmente existem dois tipos tradicionais de refrigeração: homogênea e corredores. Segundo Erik Araújo, gerente de tecnologia da Ananke, a refrigeração na forma homogênea é mais simples. Existe uma entrada de ar frio e um espaço para exaustão do outro lado do ambiente. Há um fluxo constante de ar, portanto, há mais desperdício de energia. Já na refrigeração que privilegia corredores, há uma estratégia mais "inteligente". As filas de rack são posicionadas uma de frente para outra, permitindo que uma fila capte o ar gelado pela frente e devolva o ar quente pelas costas. Ou seja, o data center formaria corredores de ar quente e ar frio intercalados, e não precisariam estar inteiramente gelados. Neste modelo há uma economia de 50% nos gastos e consumo de energia.

    Outra alternativa é o enclausuramento de corredores, que está sendo utilizada pela Terremark. De acordo com Paulo Sartori, Gerente de Produtos e Marketing da Terremark no Brasil, ao fechar os corredores frios, de uma forma que o ar gelado não consiga vazar, é possível reduzir o consumo de energia em até 15%. "Estamos testando há dois meses este projeto e os resultados parecem promissores", ressalta. "Ainda estamos trocando todas as máquinas antigas de refrigeração por novas, pois estas já trazem uma economia de até 30% em relação aos equipamentos antigos", completa.

    Ainda que haja algumas estratégias para a diminuição do consumo de energia, de acordo com estudo da Universidade de Stanford (Estados Unidos), os centros de processamentos de dados de grandes empresas mundiais consomem cerca de 1.3% da energia de todo o mundo. Se formos além, as previsões para daqui a cinco anos apontam um aumento de 100% no período. Portanto, a busca por alternativas tem se tornado assunto mais do que recorrente e sim, necessário.

    Alternativas sustentáveis
    Estudantes da Universidade de Notre Dame (França), criaram servidores que sobrevivem graças a um jardim botânico. O ar aspirado do exterior esfria os computadores, enquanto o ar quente é lançado para fora. Ainda na França, um servidor de data centers administrado pela empresa TelecityGroup, localizada em Paris, estuda as mudanças climáticas usando o calor que sai dos computadores. O ar quente é canalizado para um viveiro de plantas, que consegue mostrar como serão as condições mais quentes que irão prevalecer na França em 2050.

    Já o Laboratório Nacional de Oak Ridge (Estados Unidos), transforma o calor de um processador em energia, que pode ser utilizada até em domicílios. E o projeto do Laboratório de Pesquisas da IBM em Zurich (Suiça) fornece calefação às habitações, utilizando o calor dos computadores. Neste caso, a água aquecida nos centros de dados passa no piso das residências e esquenta os lares da cidade. Bruno Michel, um dos pesquisadores do IBM Zurich, diz que um data center que consome 10 megawatts pode aquecer cerca de 700 casas.

    Outro projeto, do Centro de Dados Ambientais da Universidade de Syracuse (Nova York), que também utiliza água para resfriar os computadores, gera eletricidade para o próprio local usando pequenas turbinas de gás. Elas ficam em atividade constante e são usadas para aquecer água e absorver energia, enquanto um aparelho de refrigeração utiliza o calor como fonte de energia.

    Uma das ideias mais originais até agora foi do Google. Segundo o site Wired, o data center localizado em Hamina (Finlândia) é resfriado com água do mar. A companhia comprou um terreno por US$ 52 milhões em 2009 e passou a utilizar um túnel subterrâneo para trazer água do Golfo da Finlândia. A água gelada é sugada para o centro e depois volta ao mar misturada com um pouco de água fria para não prejudicar a fauna e flora.

    Outra ideia bastante próspera é a da tecnologia que usa células de hidrogênio combustível. Empresas como o próprio Google, a Verizon (telecom norte-americana) e o banco First National Buildings abraçaram o conceito na alimentação elétrica das suas instalações. As vantagens das células de combustível é que elas são altamente eficientes e pouco poluentes e o melhor, podem ser utilizadas como sistemas de emergência, em zonas onde não existe rede elétrica. Sua desvantagem, no entanto, é o alto custo.

    E o consumo das máquinas?

    Se por um lado tem muita gente pensando em alternativas sustentáveis para refrigerar os centros de dados, por outro, as fabricantes de processadores têm quebrado a cabeça para desenvolver chips que consumam menos energia. Isso porque, além da refrigeração, as próprias máquinas consomem muita energia dentro de um data center e, portanto, merecem atenção também. O gerente da Terremark explica que existem cálculos como o PUE (Power Use Effectiveness) que determina a relação entre o consumo de energia das máquinas do data center e da refrigeração. Na maioria das vezes, a energia gasta com as máquinas é superior ao gasto com a refrigeração.

    Uma das soluções para este problema é a adoção de equipamentos mais novos que utilizem processadores com maior eficiência e máquinas mais compactas que precisam de menos refrigeração e, portanto, gastam menos energia. "Além de prestar atenção ao principal componente [processador], é preciso adotar alternativas como a virtualização, em que um software permite que cada máquina real seja multiplicada em várias virtuais. Neste modelo é possível diminuir drasticamente o consumo de energia", conclui.

    A onda de virtualização dos servidores e outras alternativas para a refrigeração dos data centers é pauta há anos. As empresas que não se adaptarem a novos conceitos correm o risco de verem seus negócios atropelados pela concorrência.

    Veja abaixo algumas fotos de data centers ecológicos e um vídeo de como funciona o data center do Google, e aproveite para deixar sua opinião sobre o assunto nos comentários.

    veja mais em: Olhar Digital: Data centers e sustentabilidade: d para unir estes dois mundos?
    Siga-nos em nosso twitter: @wht_brasil

  2. #2
    Aspirante a Evangelist
    Data de Ingresso
    Feb 2012
    Localização
    Lisboa, Portugal
    Posts
    403
    Secalhar quem mais tenta optimizar esse factor ao maximo será a OVH... Antes de tudo possuem um sistema interno de watercooling e depois o novo DC deles em França, Raubaix4 recebe directamente ar do exterior (free cooling) e feito em cubo para o ar frio entrar de lado e sair por cima o quente...
    Sampling Line - Serviços e Internet, Lda.
    PTServidor - Alojamento Web, Domínios, Lojas, VPS, Radios, Dedicados, Housing/Colocation
    Blog PTServidor | Registrar Oficial FCCN|MS Partner|R1Soft

  3. #3
    Moderador
    Data de Ingresso
    Oct 2010
    Localização
    Rio de Janeiro
    Posts
    2,679
    Eles abandonaram o watercooling direto no rack, depois de muitos problemas...

  4. #4
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    15,000
    CELSO MING - O Estado de S.Paulo
    11 de março de 2012

    Como a indústria do Brasil pode competir se, num país em que quase 80% da matriz energética é de fonte hídrica (ou seja, tem custo zero de matéria-prima), lhe é cobrada a quarta mais alta tarifa por quilowatt/hora do mundo?

  5. #5
    Moderador
    Data de Ingresso
    Oct 2010
    Localização
    Rio de Janeiro
    Posts
    2,679
    Citação Postado originalmente por 5ms Ver Post
    CELSO MING - O Estado de S.Paulo
    11 de março de 2012
    Preço do kWh na entrada no gerador, no datacenter em Miami: US$ 0.09/kWh
    Preço do kWh na minha casa no Rio de Janeiro: R$ 0,45/kWh

  6. #6
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    15,000
    Eu acho que ele está se referindo ao custo da eletricidade vendida para indústrias do Sudeste. Em termos de Brasil, não faltam exemplos de usinas de aluminio que pagam uma ninharia pela eletricidade, altamente subsidiada pelos governos e algumas vezes proveniente de hidroelétricas construidas especialmente para suprir a demanda dessas usinas.

  7. #7
    Aspirante a Evangelist
    Data de Ingresso
    Feb 2012
    Localização
    Lisboa, Portugal
    Posts
    403
    Citação Postado originalmente por cresci Ver Post
    Eles abandonaram o watercooling direto no rack, depois de muitos problemas...
    Foi? Segundo isto (da nova gama de 2012) ainda usam...
    HG 2012 - O servidor dedicado personaliz
    Sampling Line - Serviços e Internet, Lda.
    PTServidor - Alojamento Web, Domínios, Lojas, VPS, Radios, Dedicados, Housing/Colocation
    Blog PTServidor | Registrar Oficial FCCN|MS Partner|R1Soft

  8. #8
    Moderador
    Data de Ingresso
    Oct 2010
    Localização
    Rio de Janeiro
    Posts
    2,679
    Hmm então modificaram. O sistema original jogava água direto no processador, mas tinha alguns problemas eventuais de " vazamento"...

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •