Reunião de planejamento para a construção do novo data center do governo acontece no Proderj

Em junho do ano passado, o Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Rio de Janeiro (Proderj) recebeu investimentos da Agência Americana de Fomento e Desenvolvimento - USTDA – para viabilizar a construção de um novo data center do governo, mais moderno, seguro e com capacidade de prestar melhores serviços eletrônicos para o cidadão. Mas foi em setembro que o Proderj recebeu sinal verde do governador, Sérgio Cabral, para prosseguir com seus projetos de modernização. Nesta semana, foi a vez de colocar tudo isso em prática na primeira reunião de planejamento com a equipe da empresa que ajudará a fazer do data center, imaginável até então, uma realidade no governo até março de 2014. O objetivo é fazer do Rio de Janeiro, através do Proderj, uma referência na área da Tecnologia da Informação. A reunião aconteceu na sede da autarquia e foi coordenada pelo presidente Paulo Coelho.

Naquela época, ficou definido que o primeiro passo para a implantação do novo plano de metas seria o mapeamento de todos os projetos que estão em andamento no Governo do Rio, o que já está sendo feito pela empresa Price – Pwc - através do projeto Governança em TI e que será de grande utilidade para a viabilização da construção do novo data center. Este projeto consiste em colher informações sobre as necessidades de cada instituição, órgão e secretaria para se fazer um retrato fiel das necessidades de cada um e, assim, ter uma visão macro do que terá de ser feito para atender a todos. De acordo com Paulo Coelho, é necessário traçar um plano estratégico de TIC e alinhá-lo ao plano do governo.

“Estamos nos empenhando neste projeto. Hoje, o Proderj já hospeda, além do Portal do Governo, serviços de diversas secretarias e órgãos, como Secretaria de Educação, Defensoria Pública, Rioprevidência, entre outros. Mas a ideia do governo é unificar as informações e centralizar tudo num só sistema, que será o novo data center a ser construído e implementado pelo Proderj. A intenção é que tenhamos uma visão estruturada de todo o estado”, destacou Coelho.

Outros projetos de grande importância que estão em andamento e que possuem parceria do Proderj, como Processos Digitais e Cidade da Polícia, foram abordados na reunião, devido a sua importância para a modernização da gestão pública e a necessidade de se ter no novo Data center os mesmos sistemas que já estão sendo utilizados.

Estiveram presentes na reunião as sócias-diretoras da SE7TI – Soluções Empresariais com Tecnologia da Informação -, Claudia Cappelli e Hadeliane Iendrike, o sócio-diretor da Unito, Julio Feferman, Flavio Feferman da Universidade da California em Berkeley e o economista e estrategista de e-Transformação, Peter T. Knight . Todos fazem parte da equipe da PTS Data Center Solution, empresa vencedora da licitação para desenvolver o projeto.

A empresa PTS será responsável por fazer todo o levantamento do que é desenvolvido hoje no estado na área de TI e quais são as melhores práticas que devem ser adotadas, com base em entrevistas e visitas às secretarias e órgãos.

Além disso, fica também a cargo da PTS traduzir as necessidades de infraestrutura, como hardware, software, aplicativos e sistemas, além de trabalhar junto ao design do próprio data center. Para Paulo Coelho, é fundamental fazer um mapeamento de negócios, identificar as grandes atribuições de cada instituição, como seus objetivos, insumos, produtos e atividades, e se ter uma concepção da TI no estado. Contudo, para que isso ocorra outros pontos são também essenciais.

“O objetivo é consolidar o data center do Proderj e considerar como contingentes os data centers setoriais existentes, como por exemplo o da Secretaria de Fazenda e o do Detran. Para que tenhamos um equipamento moderno e eficiente, será necessário que a empresa contratada para nos ajudar nesse processo de modernização e a nossa própria equipe do Proderj envolvida no projeto visitem os data centers existentes no estado para que tenhamos noção das necessidades presentes, futuras, e possamos fazer um inventário do que existe hoje, levando em consideração requisitos como: servidores, conectividade, climatização, sistema anti-incêndio”, disse o presidente do Proderj.


link: PRODERJ