Para o diretor superintendente do Sebrae de São Paulo, Bruno Caetano, é possível entrar em um novo modelo de crescimento com justiça social e respeito ao meio ambiente. Para ele, o momento é ideal para a divulgação dessas ideias.

“É estratégico o aproveitamento de um contingente enorme de empreendedores que estão entrando para o mercado formal, principalmente na figura do Empreendedor Individual”, afirmou ele, durante a 11ª Conferência de Produção Mais Limpa, realizada esta semana na capital paulista.

Nos últimos anos, em todo o Brasil, 2,3 milhões de trabalhadores saíram da informalidade e conquistaram a cidadania jurídica tornando-se empreendedores individuais. Prévia da Rio +20, que será realizada em junho no Rio de Janeiro, a conferência em São Paulo discutiu os desafios da sustentabilidade e da proteção ambiental no século 21.

O Sebrae é parceiro oficial da Rio+20 com o objetivo de sensibilizar o público sobre as oportunidades dos chamados negócios verdes, que têm como foco a sustentabilidade, e de orientar os empreendedores na adoção dessas práticas.

Pesquisa do Sebrae, divulgada recentemente, mostra que grande parte das micro e pequenas empresas já realizam ações sustentáveis como a redução do consumo de água (80,6%) e de energia (81,7%), coleta seletiva de lixo (70,2%) e descarte adequado de resíduos tóxicos (65,6%), a exemplo de solventes e cartuchos de tinta.

Para o presidente do Sebrae, Luiz Barreto, os empresários de micro e pequenos negócios no Brasil, porém, ainda não percebem claramente o benefício de incorporar, no cotidiano da empresa, um maior número de ações relacionadas à gestão sustentável.

“Lucro e sustentabilidade não são contraditórios. Ao mesmo tempo em que economizar água e energia ajuda o planeta, também reduz os custos da empresa, melhora a sua imagem e atrai mais clientes”, completa.

link: Convergncia Digital - Inovao - Lucro e sustentabilidade desafiam PMEs no Brasil