A Microsoft afirmou que o aumento de vulnerabilidades do Windows Vista pode ser atribuída a falta de suporte para o primeiro Service Pack do sistema operacional. Dados da companhia mostram que, na segunda metade de 2011, o Vista Service Pack 1 (SP1) tinha 17% mais chances de ser infectado por um malware do que o Windows XP SP3, a última atualização do software de quase 11 anos de idade.

Essa constatação bate de frente com o conceito de que versões mais novas do Windows costumam ser mais seguras, e menos exploradas por usuários maliciosos. Algumas edições do Windows 7, por exemplo, possuem quase metade das taxas de infecção do Windows XP.

O diretor do grupo Trustworthy Computing (Computação Confiável, em tradução livre) da Microsoft, Tim Rains, atribuiu o aumento dos ataques ao Vista SP1 à aposentadoria do suporte de segurança da edição do software. “Isso significa que sistemas baseados no Vista SP1 não receberão mais updates de segurança automático e ajuda a explicar por que houve um aumento repentino e visível na taxa de infecções de malware nessa plataforma específica” escreveu Rain em um post.

A Microsoft deixou de entregar pacotes de segurança para o Vista SP1 em julho do ano passado. Por muito tempo, os usuários do Vista SP2 não receberam correções para as falhas, incluindo algumas que foram, posteriormente, exploradas por criminosos. O Windows Vista SP2 continuará a ser atualizado até abril de 2017.

link: Crescem taxas de infec