Mercado de servidores deve crescer 6,4% no Brasil

No segundo semestre de 2012, indústrias de finanças e o governo desaceleraram suas compras no segmento, mas, agora, se preparam para ir às compras, revela a IDC Brasil. No ano passado, o mercado nacional de servidores movimentou US$1,4 bilhão, o que representou cerca de 2,4% do total mundial. Os mainframes ficam com 33% deste market share. E aqui um dado relevante: se no mundo as vendas dos grandes equipamentos caíram, aqui elas registraram um crescimento de 0,77%, mesmo com o PIB em torno de 1%.

Os dados sobre o mercado brasileiro foram divulgados pela IDC nesta quarta-feira, 30/01, na capital paulista, durante anúncio da produção local de servidores HP de missão crítica, com processadores Itanium da família Integrity, a partir do final de fevereiro. No evento, Alexandre Vargas, analista sênior de servidores e storage da IDC para a América Latina, adiantou que a consultoria está otimista para o mercado de TIC em 2013, em especial, na área de software e serviços.

Tanto que, em 2012, o país ficou com 2,8% do mercado mundial e deverá chegar a 3,3%, o que é considerado um avanço importante. "Outras economias apresentaram queda ao longo do ano passado e não estão ainda sinalizando recuperação. O Brasil cresceu menos que o esperado, mas manteve o ritmo. Um bom exemplo é a venda de mainframes. No mundo houve uma queda de 2,81%. Aqui, registramos um crescimento de 0,77%. Isso significa que mais empresas estão tratando suas informações críticas", destacou Vargas.

O mercado de servidores X-86, os mais tradicionais, também apresenta um ritmo de crescimento de 4,81%, nos próximos quatro anos. Os servidores para missão crítica - como a familia Integrity, com sistema operacional Unix, -deverão crescer 7,81%. "Esse é um mercado que mantém seus usuários", frisou o analista da IDC.

Nos últimos seis meses do ano passado, o processo de compras - principalmente no governo e nos bancos - sofreu uma forte retração. Mas elas começam a acontecer e, se o Produto Interno Bruto do país chegar a 3,5%, como espera o Governo Dilma, a expectativa para o segmento de servidores é de um crescimento de 6,4%. Em 2012, esse índice ficou em 2,9%.

O retorno de verticais relevantes às compras é um fator importante. Mas há uma mudança no perfil do mercado. Agora, além dos tradicionais compradores de servidores de missão crítica - bancos e telecom - há também os datacenters despontando como oportunidade.

"A nuvem começa a ganhar participação e os IDCs buscam os melhores servidores para a oferta de serviços. Mas há pontos ainda para serem trabalhados, como a longevidade do negócio", diz Reinaldo Affonso, diretor de desenvolvimento tecnológico da Intel na América Latina.
link: TI Rio