Autor(es): Por Cibelle Bouças | De São Paulo
Valor Econômico - 01/04/2013




A TIM Fiber, unidade de banda larga fixa por redes de fibra óptica da TIM, realizará uma expansão significativa de sua infraestrutura entre 2013 e 2015. A companhia resulta da compra da Intelig, em 2009, e da AES Atimus, em 2011 e é o braço da TIM para a oferta de serviços de banda larga fixa para residências e empresas. A companhia encerrou o ano passado com 39 mil quilômetros de redes de fibra óptica e 10 mil clientes ativos. Essa estrutura, no entanto, tem capacidade para atender a 500 mil domicílios.

Neste ano, a empresa estima ampliar a sua base para 60 mil a 70 mil clientes. A rede de fibra óptica também crescerá para atender até a 1 milhão de domicílios, afirmou ao Valor Rogério Takayanagi, presidente da TIM Fiber. "O trabalho este ano está voltado principalmente à melhoria da cobertura dos serviços em São Paulo e no Rio de Janeiro", afirmou o executivo.

O plano de expansão da TIM Fiber contempla o aumento da rede óptica em 54% até 2015, para 60 mil quilômetros. A cobertura atingirá 42 cidades dos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro, ante 14 cidades atendidas atualmente. Essa infraestrutura, disse Takayanagi, será suficiente para abranger 80% das residências e empresas nos dois Estados.

O plano de expansão será executado com investimentos de aproximadamente R$ 100 milhões ao ano, de acordo com o executivo. Esse aporte, afirmou Takayanagi, é baixo porque a TIM Fiber herdou a infraestrutura da Intelig e da AES Atimus. "Se fôssemos começar do zero, o investimento teria de ser de R$ 500 milhões por ano", disse.

Segundo o executivo o projeto prevê a implantação das redes até pontos determinados nas cidades, sem capilaridade até os bairros.

A concentração do trabalho no Sudeste deve-se ao fato de os dois Estados concentrarem 60% da demanda do país por banda larga. Outras regiões, na avaliação do executivo, serão alvo da companhia no longo prazo. Na semana passada, a TIM informou que prevê concluir até julho a instalação, na região Norte, de uma rede de fibra óptica de 1.747 quilômetros, que vai ligar a região entre Tucuruí (PA), Macapá (AP) e Manaus. Essa região abrange um total de 27 municípios e 7,5 milhões de habitantes. A instalação da rede é feita sobre a estrutura montada pelo grupo espanhol Isolux para a instalação de redes de alta tensão na região. O projeto da TIM teve início há três anos e demandou investimento de R$ 200 milhões.

O projeto contempla uma rede central de telecomunicações com alta capacidade de tráfego (backbone) de 1.747 quilômetros de fibras ópticas e 560 quilômetros de redes ópticas subterrâneas para ligar a rede central aos municípios. Cícero Olivieri, diretor de rede da TIM, disse que, desse total, a operadora já instalou 1.420 quilômetros da rede central. A implantação do restante da estrutura deve ser concluída até setembro, para acesso à banda larga. "Nos demais municípios, levará mais tempo", disse.

A estrutura será usada no futuro por pequenos provedores de internet locais. A companhia também fechou parceria com a Telebras e a Telefônica/Vivo para fazer o uso compartilhado da rede de fibras ópticas e levar a banda larga à região. Olivieri não informou qual será o preço da internet em alta velocidade na região, mas disse que provavelmente os preços serão "compatíveis com os praticados no Sudeste". A TIM prevê investir mais R$ 200 milhões em infraestrutura no Amazonas para levar serviços de banda larga fixa e telefonia móvel de terceira e quarta gerações (3G e 4G) até 2014.

Takayanagi, da TIM Fiber, disse que mesmo com a infraestrutura disponível no Norte, está fora do planos da companhia oferecer serviços na região neste ano. Talvez no futuro, afirmou.

A companhia concentra-se agora em investir na instalação de mais conexões de fibra óptica entre os municípios já atendidos para permitir que, quando há rompimento de um trecho de fibra, o tráfego de dados possa ser redirecionado para outra parte da rede, disse Takayanagi. Com isso, sua expectativa é que haja menos risco de congestionamento das redes em operação.
Sudeste