O programa também tem como objetivo incentivar a criação em larga escala de insetos.

Não, não é 1o de abril.




A FAO, Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, lançou nesta segunda-feira um programa que orienta as pessoas a comer insetos como forma de combater a fome e promover a segurança alimentar. O programa também tem como objetivo incentivar a criação em larga escala de insetos — alimento, segundo a FAO, rico em nutrientes, de baixo custo, ecológico e “delicioso”.

De acordo com a FAO, dois bilhões de pessoas em culturas da África, Ásia e América Latina — quase um terço da população mundial — já consomem insetos, mas o potencial de consumo é muito maior. "Essas pessoas comem insetos pois são deliciosos e nutritivos. Nossa mensagem é: coma insetos, eles são abundantes e uma rica fonte de proteínas e minerais", disse Eva Ursula Müller, diretora do Departamento de Política Econômica Florestal da FAO durante a apresentação do projeto, em Roma.

Os trilhões de insetos, que se reproduzem sem parar na terra, no ar e na água, "apresentam maiores taxas de crescimento e um baixo impacto sobre o meio ambiente durante todo o seu ciclo de vida", disseram os especialistas da FAO. De acordo com seus cálculos, cerca de 900 espécies de insetos são comestíveis.

Segundo a FAO, são necessários dois quilos de ração para produzir um quilo de insetos — muito menos do que o exigido pelo gado, por exemplo, que requer oito quilos de alimento para produzir apenas um quilo de carne. Além disso, a criação de insetos é simples, já pode ser feita a partir de resíduos orgânicos, tais como restos de alimentos, e também a partir de compostos e estrume. Outro benefício de comer insetos é que eles "são nutritivos, com um elevado teor de proteínas, gorduras e minerais" e "podem ser consumidos inteiros ou em pó e incorporados em outros alimentos", informou a organização em comunicado.

Os insetos também são usados para garantir a nutrição dos animais, complementando muitas vezes outros recursos, como soja e farinha de peixe. De acordo com a FAO, "até 2030, mais de nove bilhões de pessoas vão precisar ser alimentadas, assim como os bilhões de animais criados a cada ano" para atender diversas necessidades, em um momento em que "a poluição do solo e da água devido à produção intensiva de animais de pastoreio levam a degradação das florestas".
FAO recomenda insetos para combater a fome - Sa