Página 1 de 3 123 ÚltimoÚltimo
Resultados 1 a 10 de 25
  1. #1
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    15,042

    Porque você nunca deve mostrar seu carro para um argentino

    O Strada Working 2014 é o principal modelo exportado atualmente pela Fiat brasileira.

    Entre seus principais destinos, está a Argentina.





    O Strada Working 2014 é o principal modelo exportado atualmente pela Fiat brasileira. Entre seus principais destinos, está a Argentina. Os modelos, no entanto, são bem diferentes. No Brasil, o motor é flex enquanto na Argentina é movido a gasolina. As diferenças não param por aí. O modelo disponível para os hermanos já vem equipado com ar-condicionado, direção hidráulica, rádio AM/FM/MP3, para-brisas com degradê, brake light, antena e alto-falantes. Na versão disponível para os brasileiros, todos os itens citados são opcionais.

    E os preços? No Brasil a versão de entrada é oferecida por 35.380 reais. Já na Argentina, onde o Strada é importado e contém todos esses itens de série, ele é comercializado por 106.200 pesos, aproximadamente 31.780 reais.

    Os brasileiros ainda podem equipar seus carros com os itens que já são de série no modelo argentino. O kit com ar-condicionado e para-brisas degradê, por exemplo, sai por 3.098 reais no site da Fiat Brasil, enquanto a direção direção hidráulica pode ser adquirida por mais 2.177 reais.


    Por que voc

  2. #2
    Louco pelo WHT Brasil
    Data de Ingresso
    Jan 2011
    Localização
    Aveiro, Portugal
    Posts
    154
    Não é só carro não... é TUDO.

    Vou dar um exemplo de experiência própria:

    Por volta de 2010/2011 uma rede de supermercados aqui em Portugal, importou pão-de-queijo congelado da marca FORNO DE MINAS, aí do Brasil.

    Para mim, até então, forno de minas era o melhor pão de queijo destes congelados. Pois bem, eu como brasileiro fiquei ansioso para ir no mercado comprar, porque não é fácil encontrar estes produtos aqui. Ao chegar no mercado pensei:

    - Isso vai custar pelo menos 4 vezes mais do que no Brasil, afinal vem em carga congelada, tem impostos, frete especial etc etc etc.

    Quando encontrei o produto, vi que era saco de 1Kg do pao de queijo tradicional forno de minas, valor na época, pela cotação daquele mes, dava coisa de 10 reais. Eu estranhei o preço e entao fui na internet no site de alguns supermercados brasileiros e para meu espanto o mesmo produto, exatamente igual, era vendido entre 12 a 15 reais (20 a 50% mais caro).

    Como pode isso? E até hoje encontro coisas assim, em portugal e pela Europa - desde pao de queijo até carro, fabricados no Brasil e que custam mais caro aqui do que no Brasil.

    Outro caso foi do FOX, aqui em Europa o VW FOX é (ou era) vendido mais barato do que no Brasil, e com ABS, air-bag, ESP, e todas as frescuras. Inclusive uma revista portuguesa fez uma matéria sobre isso, querendo saber porque os brasileiros pagavam mais caro pelo FOX "pelado" no Brasil. Eles também não conseguiam entender o disparate do preço. Vale observar que o FOX brasileiro para ser vendido na europa teve que receber 50 melhorias de segurança, do contrário nem entrava na europa.

  3. #3
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    15,042
    Quanto custa azeite, bacalhau, vinho EA em Portugal?

    PS: Forno de Minas 400g Tradicional Coquetel anda por volta de R$ 6,50 agora
    Última edição por 5ms; 19-03-2014 às 21:48.

  4. #4
    Aspirante a Evangelist
    Data de Ingresso
    Jul 2012
    Posts
    352
    Citação Postado originalmente por mindnet Ver Post
    Outro caso foi do FOX, aqui em Europa o VW FOX é (ou era) vendido mais barato do que no Brasil, e com ABS, air-bag, ESP, e todas as frescuras. Inclusive uma revista portuguesa fez uma matéria sobre isso, querendo saber porque os brasileiros pagavam mais caro pelo FOX "pelado" no Brasil. Eles também não conseguiam entender o disparate do preço. Vale observar que o FOX brasileiro para ser vendido na europa teve que receber 50 melhorias de segurança, do contrário nem entrava na europa.
    Entre os carros o buraco é mais embaixo. Claro que as questões dos impostos ainda pesam, e muito, na diferença de preço entre Brasil x resto do mundo. Mas...

    Exportar os carros subfaturados para as matrizes é a maneira mais fácil de remeter lucros ao exterior sem ter encheção de saco da Receita Federal. As unidades brasileiras estão entre as mais lucrativas do mundo, a Fiat brasileira praticamente sustentou a europeia na última década. Entregar alguns carros para as matrizes com prejuizo não afeta tanto o resultado no Brasil, por outro lado os patrões conseguem melhores condições nos mercados mais competitivos.

    Se bem que pelo que me lembro o Fox brasileiro não foi muito bem aceito na Europa e tiveram que esgotar o estoque em preço de liquidação...

  5. #5
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    15,042
    Citação Postado originalmente por Arr Ver Post
    Entre os carros o buraco é mais embaixo.
    Com a Argentina, o buraco é mais embaixo ainda. A Fiat brasileira importa componentes pagando em moeda forte (dolar, euro, libra, etc) e exporta recebendo em pesos e provavelmente fazendo uso de mecanismo de drawback. Ou seja, nessa brincadeira as nossas reservas são usadas para não depletar as da Argentina, que está na penúria, impostos de importação dos componentes são compensados/devolvidos, lucros são remetidos ao exterior e ainda deve ter um dinheiro do BNDES e outros beneficios fiscais na estória.

    Brasil dará crédito para importação da Argentina

    Proposta pode levar a acordo para reduzir as barreiras no comércio entre os dois países

    18 de março de 2014 | 2h 07


    Renata Veríssimo - O Estado de S.Paulo


    BRASÍLIA - Em um esforço para sustentar o comércio bilateral, Argentina e Brasil devem fechar nos próximos dias uma ampla proposta com alternativas para o financiamento das importações argentinas de produtos brasileiros. O assunto foi um dos temas tratados na sexta-feira, em Buenos Aires, em encontro do ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Mauro Borges, com os ministros argentinos de Economia, Axel Kicillof, e de Indústria, Debora Giorgi.

    O governo brasileiro tem buscado formas para mitigar as barreiras comerciais colocadas por Buenos Aires, o que tem levado a uma redução das exportações brasileiras ao País vizinho.


    Um dos setores mais afetados é o automotivo. Algumas alternativas de financiamento foram apresentadas aos ministros argentinos. Depois de apresentar algumas soluções para facilitar o comércio, o Brasil, agora, aguarda uma posição da Argentina para implementar as medidas.


    O governo brasileiro propõe, como antecipou o Estado na semana passada, a ampliação das transações com pagamento em moeda local, o que permitiria fechar operações sem o uso de dólares e reduziria parte da pressão cambial sofrida pelos vizinhos. O sistema teria estrutura de garantia em dólares dos bancos centrais, o que daria a exportadores e importadores de ambos os lados a opção de pagar e receber em pesos ou reais por meio de uma instituição bancária.


    A proposta, porém, tem resistência dentro do próprio governo brasileiro. Parte da equipe econômica é contra o Banco Central brasileiro dar garantias para os argentinos.


    Crédito.
    O Brasil também está disposto a oferecer uma linha de crédito à exportação de até US$ 2 bilhões. As operações teriam prazo de três meses, renovação automática, mas sem garantia do Tesouro brasileiro.


    A Argentina é um dos principais mercados de exportações brasileiras de manufaturados e o comércio bilateral tem sido reduzido com as barreiras impostas por Buenos Aires e a crise econômica no País vizinho.


    No primeiro bimestre deste ano, as exportações do Brasil para a Argentina recuaram 16% em relação ao mesmo período do ano passado, principalmente de automóveis de passageiros. As importações feitas pelo Brasil do sócio do Mercosul tiveram um recuo ainda maior no período: 26,9%.

    http://www.estadao.com.br/noticias/i...,1142078,0.htm

    Full Definition of DRAWBACK

    1
    : a refund of duties especially on an imported product subsequently exported or used to produce a product for export
    Última edição por 5ms; 20-03-2014 às 00:27.

  6. #6
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Nov 2010
    Localização
    Rio de Janeiro - RJ
    Posts
    2,291
    A alguns anos atrás a Quatro Rodas fez um comparativo de preço do Renault Logan mais barato do Brasil contra o da Argentina, e detalhe: ambos saem da mesma fábrica e pagam na produção os mesmos impostos. Eles retiraram apenas os impostos "pós produção" (IPI, ICMS e os equivalentes na Argentina), e o Logan daqui sairia por 28 mil reais (veja bem, retirando ICMS, IPI e outros impostos menores), enquanto na Argentina ficava em 21 mil reais... detalhe: o frete não foi retirado de ambos os cálculos. Detalhe mais importante: a unidade brasileira avaliada foi a 1.0 16v pelada, enquanto a Argentina foi a 1.6 8v com ar condicionado e direção hidráulica)... Brasil, um país de trouxas!

  7. #7
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    15,042
    Citação Postado originalmente por tekobr Ver Post
    ... com ar condicionado e direção hidráulica)... Brasil, um país de trouxas!
    Quanto mais componentes as montadoras brasileiras importarem das filiais estrangeiras, maior o envio de dolares/euros, melhor desempenho global dessas empresas. Quanto mais colocam esses componentes nos carros para a Argentina, menos impostos pagam.

  8. #8
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    15,042

    destruição destruidora

    O comissariado destruidor

    Elio Gaspari, O Globo

    Quando a doutora Dilma assumiu a Presidência, uma ação da Petrobras valia R$ 29. Hoje ela vale R$ 12,60. Somando-se a perda de valor de mercado da Petrobras à da Eletrobras, chega-se a cerca de US$ 100 bilhões.

    Isso significa que a gestão da doutora comeu um ervanário equivalente à fortuna do homem mais rico do mundo (Bill Gates, com US$ 76 bilhões), mais a do homem mais rico do Brasil (Jorge Paulo Lemann, com US$ 19,7 bilhões). Noutra conta, a perda do valor de mercado das duas empresas de energia equivale à fortuna dos dez maiores bilionários brasileiros.

    Se o governo da doutora Dilma deve ser avaliado pela sua capacidade executiva, o comissariado petista contrapõe ao conceito de “destruição criadora” do capitalismo a novidade da destruição destruidora.

    ...

    O que há no governo é mais do que má gerência. É uma fé infinita na empulhação, ofendendo a inteligência alheia.

    Artigo completo: O comissariado destruidor - Ricardo Noblat: O Globo
    Última edição por 5ms; 20-03-2014 às 10:58.

  9. #9
    Louco pelo WHT Brasil
    Data de Ingresso
    Jan 2011
    Localização
    Aveiro, Portugal
    Posts
    154
    Citação Postado originalmente por 5ms Ver Post
    Quanto custa azeite, bacalhau, vinho EA em Portugal?
    Olha, como é muita variedade, dá uma olhada nos sites dos maiores supermercados de portugal:

    JUMBO - http://www.jumbo.pt

    CONTINENTE - Continente - o seu Hipermercado para Compras Online. (opção LOJA)

    Não conheço de vinhos, mas em dez/2012 fui ao Brasil e vi amigos pagando R$40,00 a R$50,00 por uma garrafa de Monte Velho, que aqui custa 4 euros.

  10. #10
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    15,042
    Dei uma olhada rápida no Continente -- carne bovina, inclusive hamburguer congelado, é carissimo ai.

    Obrigado pelos links. Vou pesquisar com calma.

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •