Resultados 1 a 5 de 5
  1. #1
    Web Hosting Guru
    Data de Ingresso
    Jul 2011
    Localização
    Redenção-Pará
    Posts
    332

    Para onde vai a economia brasileira em 2015, segundo o Itaú

    "Cobertor é curto" na política macroeconômica brasileira e cenário mais provável é de ajustes mínimos no ano que vem, segundo o banco


    Resumo das previsões:

    Crescimento do PIB: 0,2% em 2014 e 1,1% em 2015

    Desemprego (dezembro): 5,4% em 2014 e 5,7% em 2015

    Inflação (IPCA): 6,5% em 2014 e 6,5% em 2015

    Juros (Selic): 11,5% em 2014 e 12% em 2015

    Superávit primário: 0,2% em 2014 e 1,2% em 2015

    Câmbio (dezembro): R$ 2,50 em 2014 e R$ 2,70 em 2015

    Déficit em conta corrente: -3,8% em 2014 e -3,6% em 2015



    http://exame.abril.com.br/economia/a...segundo-o-itau

  2. #2
    Aspirante a Evangelist
    Data de Ingresso
    Nov 2010
    Posts
    441
    Será que não estão sendo muito otimistas? Se for isto pra 2015, até que está "bom".
    Agora quero ver nas olimpíadas, como vai ficar a economia.

  3. #3
    Web Hosting Guru
    Data de Ingresso
    Jul 2011
    Localização
    Redenção-Pará
    Posts
    332
    Citação Postado originalmente por Seto_Ichitaka Ver Post
    Será que não estão sendo muito otimistas? Se for isto pra 2015, até que está "bom".
    Agora quero ver nas olimpíadas, como vai ficar a economia.
    rs também acho.


    O Itaú esta sendo bem conservador, até porque se eles forem muito pessimista/realista podem perder dinheiro.
    Fora que em noticias recentes o Itau se mostrou muito "Amigo", do planalto.

  4. #4
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,999
    O que me incomoda são meias-verdades, como o indice de desemprego utilizado pelo Itau, que considera apenas 6 regiões metropolitanas e usa uma base decrescente de pessoas economicamente ativas.

    A situação do desemprego é bem outra:


    As lições em atraso da presidente - Opinião - Estadão

    ...

    O levantamento tradicional do IBGE, nas seis áreas metropolitanas, mostrou neste ano taxas de desocupação variando entre 4,8% e 5%. O número de setembro foi 4,9%. Num universo muito maior, a Pnad Contínua apontou 7,1% de desemprego no primeiro trimestre e 6,8% no segundo. Este dado foi divulgado nesta semana. Mostrou uma melhora, sem dúvida, mas comprometeu, mais uma vez, as bravatas oficiais sobre a desocupação no Brasil e nos países avançados.

    O desemprego brasileiro no segundo trimestre, 6,8%, foi maior que o registrado no mesmo período em 16 dos 34 países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). A lista inclui, entre outros, Japão, Coreia do Sul, Austrália, Áustria, México, Holanda, Chile e Nova Zelândia. Inclui também a maior economia do mundo, a americana, e a maior da Europa, a alemã, além do Reino Unido.

    Entre abril e junho a desocupação na Alemanha ficou em 5,1% da força de trabalho. Nos Estados Unidos variou de 6,3% para 6,1%. Nos meses seguintes, o setor privado continuou criando postos de trabalho na economia americana. A primeira estimativa de outubro, publicada nesta sexta-feira, indicou uma taxa de 5,8%, menor até que a da pesquisa mensal conduzida pelo IBGE nas seis tradicionais áreas metropolitanas.
    Pela primeira vez na história, Brasil fecha vagas de trabalho no mês de outubro

    Foram 30 mil postos a menos. Resultados do período foram sempre positivos;

  5. #5
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Nov 2010
    Localização
    Rio de Janeiro - RJ
    Posts
    2,289
    Na verdade eu espero algo até pior, as olimpíadas (podemos falar isso, não é patenteado igual ao mundial daquele esporte bretão?) vão ajudar bastante a mascarar os números pois vão trazer um dinheirinho para ajudar a economia, depois... será um "Deus nos acuda!"

Tags para este Tópico

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •