Página 1 de 37 12311 ... ÚltimoÚltimo
Resultados 1 a 10 de 367
  1. #1
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,992

    Dolar comercial a R$ 3,75

    FITCH: For Brazil to become competitive, currency has to depreciate to 3.75 against the USD

    March 12, 2015

    The depreciation of the BRL versus the U.S. dollar since the beginning of 2014 to BRL3.12 from BRL2.36 will not enhance exporters’ global competitiveness to the level they enjoyed at the beginning of the millennium, according to Fitch Ratings.

    “Brazilian corporates cost structures have been devastated by inflation during the past decade,” said Joe Bormann, Managing Director at Fitch. ‘The exchange rate would have to depreciate to around BRL3.75 to bring them back to competitive positions they enjoyed in 2004.”

    According to the article, Brazil has lost its competitive position as an exporter of steel, sugar/ethanol and automotive and a number of defaults have occurred in the past few years.

    “Conditions aren’t expected to improve in the near term. Weak economic conditions have stifled demand for automobiles. Increases in the price of ethanol are only possible if accompanied by higher gasoline prices at the pump, which is unlikely following the recent plunge in international oil prices to multiyear lows.”

    Source: Fitch

  2. #2
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,992

    Press Release Fitch: Weak Currency No Panacea for Brazilian Exporters

    CHICAGO, Mar 12, 2015 (BUSINESS WIRE) -- The depreciation of the BRL versus the U.S. dollar since the beginning of 2014 to BRL3.12 from BRL2.36 will not enhance exporters' global competitiveness to the level they enjoyed at the beginning of the millennium, according to Fitch Ratings. Many corporates focused on the domestic market will also continue to be threatened by imports and rely on protective measures.

    'Brazilian corporates cost structures have been devastated by inflation during the past decade,' said Joe Bormann, Managing Director at Fitch. 'The exchange rate would have to depreciate to around BRL3.75 to bring them back to competitive positions they enjoyed in 2004.'

    Despite cost pressure over the past decade a few industries continue to thrive. Market pulp producers such as Fibria and Suzano have unparalleled cost structures due to the fast growth rate of the eucalyptus tree. Protein companies have strong global positions due to abundant natural resources such as land and water. Iron ore is a mixed bag. Vale is a dominant industry play due to its size and the high quality of its iron ore, but CSN, Usiminas and Gerdau's mines are not competitive at low prices.

    In contrast, Brazil has lost its competitive position as an exporter of steel to countries such as Russia, Turkey and China. This has made the industry highly reliant upon import quotas. Two other export businesses are also struggling sugar/ethanol and automotive and a number of defaults have occurred in the past few years. Conditions aren't expected to improve in the near term. Weak economic conditions have stifled demand for automobiles. Increases in the price of ethanol are only possible if accompanied by higher gasoline prices at the pump, which is unlikely following the recent plunge in international oil prices to multiyear lows.

    For more information on these topics a special report titled 'Brazilian Exporters: The Good, the Bad, and the Ugly' is available on the Fitch Ratings web site at www.fitchratings.com, or by clicking on the link.

    Additional information is available at 'www.fitchratings.com'.

    Applicable Criteria and Related Research: Brazilian Exporters - The Good, the Bad and the Ugly (Weak Currency Is No Panacea During Dark Days)

    http://www.fitchratings.com/creditde...?rpt_id=863469

    ALL FITCH CREDIT RATINGS ARE SUBJECT TO CERTAIN LIMITATIONS AND DISCLAIMERS. PLEASE READ THESE LIMITATIONS AND DISCLAIMERS BY FOLLOWING THIS LINK: HTTP://FITCHRATINGS.COM/UNDERSTANDINGCREDITRATINGS. IN ADDITION, RATING DEFINITIONS AND THE TERMS OF USE OF SUCH RATINGS ARE AVAILABLE ON THE AGENCY'S PUBLIC WEBSITE 'WWW.FITCHRATINGS.COM'. PUBLISHED RATINGS, CRITERIA AND METHODOLOGIES ARE AVAILABLE FROM THIS SITE AT ALL TIMES. FITCH'S CODE OF CONDUCT, CONFIDENTIALITY, CONFLICTS OF INTEREST, AFFILIATE FIREWALL, COMPLIANCE AND OTHER RELEVANT POLICIES AND PROCEDURES ARE ALSO AVAILABLE FROM THE 'CODE OF CONDUCT' SECTION OF THIS SITE. FITCH MAY HAVE PROVIDED ANOTHER PERMISSIBLE SERVICE TO THE RATED ENTITY OR ITS RELATED THIRD PARTIES. DETAILS OF THIS SERVICE FOR RATINGS FOR WHICH THE LEAD ANALYST IS BASED IN AN EU-REGISTERED ENTITY CAN BE FOUND ON THE ENTITY SUMMARY PAGE FOR THIS ISSUER ON THE FITCH WEBSITE.

    SOURCE: Fitch Ratings

    Fitch Ratings
    Joe Bormann, CFA
    Managing Director
    +1 312-368-3349
    joe.bormann@fitchratings.com
    Fitch Ratings, Inc.
    70 W Madison Street
    Chicago, IL 60602
    or
    Paula Bunn
    Analyst
    +55 21 4504-2218
    paula.bunn@fitchratings.com
    or
    Media Relations:
    Elizabeth Fogerty, +1 212-908-0526
    elizabeth.fogerty@fitchratings.com
    http://www.marketwatch.com/story/fit...ers-2015-03-12

    Copyright Business Wire 2015

  3. #3
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,992

    Brazilian Exporters - The Good, the Bad and the Ugly

    14 pages (5892 words) — Published Mar 12, 2015
    Price $999.00 | Buy this Report Now



    ...Dark Days for Corporates: Brazilian corporates are on the ropes. More than one of every four Brazilian corporates rated by Fitch has a negative rating bias. Cash flow trends will be negative in 2015, and default risk is high. The high probability of water shortages and power rationing bodes poorly for an economy that stumbled to grow by only 0.3% in 2014. The economy will likely contract in 2015, as consumer and producer confidence remain depressed. Huge Inflation and FX Depreciation Differential: Cumulative inflation in Brazil has been 72% during the past decade and has wreaked havoc on exporters' cost structures. In contrast, inflation in the United States has been about 26% and the Brazilian real (BRL or real) has depreciated by only 18% to offset this 46% inflation differential. In contrast, the inflation differential between the U.S. and Mexico was 25% during this time period, while the Mexican peso (MXN) depreciated by 40%. This is a key reason Mexican manufacturing is thriving. Exporters...

  4. #4
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Nov 2010
    Posts
    1,608
    Olhei o preço do dolar hoje e achei que estou com algum problema de saúde, vendo apenas flashs da vida.
    oGigante.com*• Revenda de Hospedagem Cloud Linux + WHMCS Grátis
    VWhost.com.br • Revenda de Hospedagem Linux Cpanel + CloudFlare
    Zocka.com.br • Hospedagem de Sites Cpanel + Construtor de Sites

  5. #5
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,992
    Citação Postado originalmente por chuvadenovembro Ver Post
    Olhei o preço do dolar hoje e achei que estou com algum problema de saúde, vendo apenas flashs da vida.
    Parafraseando o Delfim Netto, você é feliz e não sabe

    Ontem as moedas dos paises emergentes se fortaleceram (um tiquinho) menos o real, que caiu 1%. Uma das possiveis explicações está aqui:

    http://www.webhostingtalk.com.br/for...ll=1#post32748

    Por sua vez, a "queda" do dolar parecia que ia continuar hoje. Quando eu fui dormir, a bolsa do Japão estava tendo a maior alta dos últimos 15 anos.

    Não verifiquei ainda o fechamento das bolsas daquelas bandas mas a situaçlão por aqui piorou muitissimo:

    Câmbio (10:00)



  6. #6
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,992

    Recados da Ata do Copom

    Celso Ming

    12 março 2015 | 21:00

    A inflação está muito mais forte do que o esperado, mas está sob controle. É o recado do Banco Central transmitido pela Ata do Copom divulgada nesta quinta-feira.

    O Banco Central não compra o diagnóstico da presidente Dilma de que a atividade econômica e a inflação estão piorando no Brasil em razão da crise externa. Ao contrário, avisa que “as perspectivas indicam recuperação da atividade em algumas economias maduras e intensificação do ritmo de crescimento em outras”. Também não atribui nossas mazelas aos estragos produzidos pela escassez de chuvas. Os efeitos da estiagem não são sequer mencionados na ata.

    A inflação está acelerando, mas este é o resultado do processo saudável de dois realinhamentos: o dos preços internos aos preços externos por meio do avanço do câmbio (alta do dólar); e o dos preços administrados aos preços livres. Ficou implícita a conclusão de que tanto o atraso do câmbio quanto o dos preços administrados (25% da cesta de consumo) foi o resultado da política econômica anterior.

    De todo modo, esse realinhamento concorrerá para que, mais à frente – indica o Banco Central – a inflação seja contida. Em dezembro, o presidente Alexandre Tombini assegurava que, em 2016, a inflação voltaria a convergir para a meta de 4,5%. Essa aposta se mantém, mas como aposta e não como certeza. Ficou a impressão de que a convergência para a meta, se vier, vai ficando para 2017.

    O relativo otimismo do Banco Central em relação ao comportamento da inflação baseia-se em três pressupostos, que têm lá alguma fragilidade. O primeiro é o de que o governo conseguirá fazer o ajuste fiscal necessário para obter a sobra de arrecadação de 1,2% do PIB em 2015 e de 2,0% em 2016. Esse não é ainda dado de realidade que se pode assegurar.

    O segundo pressuposto em que se apoia o otimismo do Banco Central é a relativa desaceleração do consumo e da expansão do setor de serviços, fato que tenderá a tirar gás da inflação.

    E o terceiro é o de que a economia global vai melhorar, fator que pode empurrar as exportações – que, por sua vez, podem ser ajudadas pela forte desvalorização cambial.

    Logo depois da reunião do dia 4, quando o Copom aumentou os juros em 0,5 ponto porcentual para 12,75% ao ano, alguns analistas imaginaram que nova dose de 0,25 ponto porcentual em abril que conduzisse ao número redondo de 13,0% ao ano encerraria o ciclo de alta.

    Não há suporte para suposições desse tipo. Ao contrário, a ata deixa aberta a porta para que o ajuste monetário continue, especialmente quando o patamar dos 8,0% em 12 meses for atingido.

    Está para começar o processo de alta dos juros nos Estados Unidos, processo que pode desviar recursos externos da rota para o Brasil. Se a relativa escassez de moeda estrangeira se configurar, o Banco Central pode ter outro motivo para puxar ainda mais pelos juros, de maneira a atrair mais capitais externos.

    A cotação cambial tomada como referência na ata foi R$ 2,85 por dólar. É patamar que ficou para trás. O preço do dólar está agora nas alturas dos R$ 3,14. Não deixa de mostrar certo atraso da leitura da realidade feita pela ata.

    Mercado de trabalho

    Saíram nesta quinta-feira novos dados sobre o mercado de trabalho no Brasil que indicam o enfraquecimento do emprego. A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad) mostrou que, no trimestre móvel terminado em fevereiro, a desocupação alcançou 6,8% da força da mão de obra. Em janeiro, estava nos 6,4%.

    A indústria demite

    A Fiesp mostrou nesta quinta-feira que a indústria paulista dispensou 9,5 mil funcionários em fevereiro e que o nível de emprego da indústria caiu 0,74% (em relação a janeiro). Em 12 meses, foram eliminados 150,5 mil postos de trabalho. É um número coerente com a retração da atividade industrial.
    http://economia.estadao.com.br/blogs...-ata-do-copom/
    Última edição por 5ms; 13-03-2015 às 13:05.

  7. #7
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,992
    Câmbio (11:50)




    1 EUR = 1.0533 USD
    1 USD = 0.9494 EUR

    http://www.msn.com/en-us/money/curre...?symbol=EURUSD
    Última edição por 5ms; 13-03-2015 às 13:56.

  8. #8
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Localização
    /sc/rionegrinho
    Posts
    1,036
    Ôo beleza! Acabei de pagar uma fatura de 36 dólares. Quase R$ 115.
    Sobe imposto, sobe dólar. Mas não ouse subir o preço do seu serviço.
    Alexandre Silva Hostert

    Veezon
    Gerenciamento de Servidores


    http://veezon.com.br
    http://br.linkedin.com/in/alexandreveezon

  9. #9
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,992
    Citação Postado originalmente por AlexandreVeezon Ver Post
    Ôo beleza! Acabei de pagar uma fatura de 36 dólares. Quase R$ 115.
    Sobe imposto, sobe dólar. Mas não ouse subir o preço do seu serviço.
    Sobe energia elétrica.

  10. #10
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,992

    Conta de luz pode subir quase o dobro das projeções do BC

    Thymos Energia prevê que o rombo no setor elétrico a ser bancado pelos brasileiros seja da ordem de 115 bilhões de reais. Segundo Ricardo Savoia, diretor de regulação da Thymos, esse montante deve fazer com que a conta de consumidores de média tensão (comércio e pequenas indústrias) suba 65% apenas este ano.

    Nesta quinta-feira, o Banco Central (BC) divulgou uma projeção bem conservadora, na visão do mercado, para o aumento de preços da energia elétrica para este ano - o reajuste será da ordem de 38%, segundo a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). O número já é maior do que o visto na ata anterior, de janeiro, que apontava para contas 27,6% mais caras. Contudo, ainda não contempla, para especialistas ouvidos pelo site de VEJA, a real situação do setor elétrico. Segundo eles, a alta deve ser de até 65%.
    ...
    http://veja.abril.com.br/noticia/eco...rojecoes-do-bc

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •