Standard & Poor's defende que BC pare de atuar e deixe dólar ir a R$ 5

THAIS BILENKY
DE NOVA YORK
15/10/2015

A intervenção do Banco Central no câmbio é insustentável e adia a estabilização econômica do país, afirma a agência de classificação de risco Standard & Poors.

Em entrevista à Folha, na sede da empresa, em Nova York, o economista-chefe para a América Latina, Joaquin Cottani, afirmou que "a melhor coisa seria intervir menos, deixar a inflação cair, o que inevitavelmente acontecerá, não pelos juros altos ou pela contração do crédito, mas pelo desemprego".

O desemprego cresceu no país e atingiu 8,6% no trimestre encerrado em julho, segundo o IBGE. O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) está a 9,5%, mais que o dobro da meta, de 4,5%.

"Achamos que a mensagem [do governo] deveria ser que, uma vez que a inflação tiver baixado, começaremos a fazer o que deveríamos ter feito nos bons tempos, que é baixar a taxa de juros."

O economista afirma que o mecanismo de intervenção do Banco Central para conter a alta do dólar não é sustentável. Essa atuação do BC tem sido, sobretudo, por meio de contratos chamados swap cambial, que na prática funcionam como um seguro contra a alta do dólar e contêm a fuga de recursos do país.

Com o swap cambial, o BC compensa o investidor pela variação do dólar no período. Em troca, o comprador paga juros sobre o valor do contrato. O BC acumulou perda de R$ 108 bilhões com o mecanismo até 2 de outubro.

"A venda de swaps não é sustentável. Traz perda de dinheiro e a perda não se reflete no deficit primário, mas no deficit total, porque o custo dos juros no pagamento da dívida mais o custo da intervenção atingiram 8% do PIB. É muito alto", diz Cottani.

O economista afirma que a política monetária do país atingiria um equilíbrio quando o dólar passar a valer R$ 5 —hoje está a R$ 3,85. "Durante a expansão econômica, o Brasil foi muito complacente e deixou o real se valorizar mais do que deveria", diz.

A S&P tirou do Brasil o selo de bom pagador em setembro. A equipe econômica, da qual Cottani faz parte, fornece subsídios para a classificação de riscos, mas há outras variáveis na conta.

CHINA

O economista-chefe da S&P para a Ásia, Paul Gruenwald, diz que o Brasil é a "terceira ou quarta" economia que mais sofrerá com a desaceleração da China.

Os efeitos serão sentidos sobretudo nos países que exportam commodities —em especial na Austrália.

Além da queda na exportação, há efeitos mais graves, inclusive financeiros. "Dados empíricos mostram que o Brasil é mais vulnerável que o Peru, a Colômbia e o Chile."

Gruenwald disse "não ser grande fã" da teoria do pouso forçado, segundo a qual a China teria uma desaceleração brusca. "As autoridades têm ferramentas para gerenciar o crescimento. Na nossa visão, a expansão do PIB pode baixar para entre 5,5% e 6,5% no médio prazo."

A S&P aposta numa elevação da taxa de juros pelo Federal Reserve em dezembro.
http://www1.folha.uol.com.br/mercado...ir-a-r-5.shtml