Página 1 de 2 12 ÚltimoÚltimo
Resultados 1 a 10 de 20
  1. #1
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,992

    Brazil moves closer to junk at Moody’s

    Brazil is on the brink of being stripped of its investment grade status by a second major ratings agency.Moody’s on Wednesday said it has placed Brazil’s Baa3 rating on review for a downgrade as the country’s economic and political crisis continue to worsen with no clear sign of an end in sight.

    The agency said in a statement:

    The review for downgrade is driven by i) rapidly and materially deteriorating macroeconomic and fiscal trends and diminished likelihood of trend reversal in the next 2-3 years; and ii) worsening governability conditions and increased risk of policy paralysis

    Brazil has already lost its coveted investment grade at Standard & Poor’s earlier in September. But a second downgrade to junk from Moody’s would have greater market impact than the first because many pension funds and other large investors are required to sell bonds once two separate agencies rate them as speculative grade.

    Fitch Ratings currently also rates Brazil at just one notch above junk.

    The warning from Moody’s comes as President Dilma Rousseff battles for her political survival after her opponents began an impeachment process to remove her from office for allegedly breaking budget rules.

    The high stake political drama comes as Brazil’s once high flying economy braces for its worst recession since the Great Depression, and the country struggles to rein in soaring inflation and unemployment.

    With Ms Rousseff and her supporters now expected to focus on preventing the impeachment process from advancing, Moody’s warned that the fiscal adjustments and reforms that the country needs will now most likely take a backseat.

    As Moody’s noted:

    The likelihood of a turnaround in Brazil’s economic and fiscal performance now appears unlikely in 2016, and the key assumptions underlying our Baa3 rating — a return to GDP growth of around 2% and a primary surpluses of a similar magnitude beyond 2016 — also appear to be at risk. With political stalemate complicating the passage of fiscal adjustment measures, the likelihood that the government will be able to report primary surpluses large enough to stabilize debt ratios has diminished.

    http://www.ft.com/fastft/2015/12/09/...unk-at-moodys/

  2. #2
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,992

    Moody's warns Brazil may be cut to junk

    Wed 9 Dec 2015 19:40:38 GMT
    Author: Adam Button |

    Moody's places Brazil's Baa3 rating on review for a downgrade

    • Turnaround in 2016 unlikely, Moody's says
    • Assumption of Brazil return to 2% GDP growth at risk
    • Revenue shortfalls will likely occur in 2016
    • Cites rapidly and materially deteriorating macroeconomy and fiscal trends


    Emerging market commodity producers are about to have a very bad year.
    On Dec 1, Brazil reported Q3 GDP down 4.5% y/y compared to 4.2% expected. In the quarter alone, the economy contracted 1.7% vs 1.2% expected. That's a depression-level quarterly contraction. The prior quarter was also revised lower.

    http://news.forexlive.com/!/moodys-w...-junk-20151209

  3. #3
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,992

    Brazil: Moody’s places rating on review for downgrade to junk

    Wed, Dec 09 2015, 20:11 GMT | FXStreet

    The rating agency Moody’s placed Brazil Baa3 under review for a downgrade. If materializes, even by only one notch, the country would lose the investment grade from Moody’s. Standard and Poor’s downgraded Brazil to junk in September. A grade below IG by two of the three rating companies could forced large liquidations of assets denominate in reals (BRL).

    Despite the news, the real continued to trade in positive territory against the US dollar, but attention now turns to tomorrow’s trade in Brazil, where the real could face bearish pressure. USD/BRL moved of daily low and rose from 3.73 to 3.755, but it was still down more than 1% for the day.

    Key Quotes:

    “Moody's Investors Service has placed Brazil's Baa3 issuer and bond ratings on review for downgrade. The review for downgrade is driven by i) rapidly and materially deteriorating macroeconomic and fiscal trends and diminished likelihood of trend reversal in the next 2-3 years; and ii) worsening governability conditions and increased risk of policy paralysis.”

    “During the review, Moody's will assess the likelihood of further deterioration in the government's fiscal position against the agency's baseline assumptions supporting the current Baa3 rating, and the prospect of a faster and more significant rise in the government's debt trajectory, in the context of heightened political uncertainty, declining investor confidence and deeper than expected recession.”

    “Fiscal and economic activity indicators continue to sharply deteriorate with no clear sign of when they will bottom out. Rapidly and materially worsening macroeconomic conditions are leading Moody's to reevaluate the extent to which the fiscal and economic performance will conform to the assumptions supporting Brazil's rating at Baa3. The likelihood of a turnaround in Brazil's economic and fiscal performance now appears unlikely in 2016, and the key assumptions underlying our Baa3 rating -- a return to GDP growth of around 2% and a primary surpluses of a similar magnitude beyond 2016 -- also appear to be at risk. With political stalemate complicating the passage of fiscal adjustment measures, the likelihood that the government will be able to report primary surpluses large enough to stabilize debt ratios has diminished.”

    “An upgrade is very unlikely given the review for downgrade. However, we would conclude the review with a confirmation of the rating if we expect Brazil's growth and fiscal prospects are likely to stabilize. Such an outcome would likely be associated with signs of improvements in the political stalemate that leads to the passage of fiscal reforms to reduce structural budgetary rigidities derived from revenue earmarking and mandatory growth in various spending categories. Preserving an investment-grade rating will rest on Moody's assessment of the capacity of Brazil's government to achieve its economic policy objectives and its ability to restore investor confidence.”

    http://www.fxstreet.com/news/forex-n...b-7a320f4f1d97

  4. #4
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,992

    Moody's eyes Brazil downgrade to junk citing political risks

    Wed Dec 9, 2015 3:15pm EST

    Dec 9 Moody's Investors Service is studying Brazil's credit rating for a possible downgrade to junk status due to a deteriorating economy, widening fiscal deficit and increasing risks of political paralysis, the ratings agency said on Wednesday.

    If Moody's follows through with a downgrade in the usual three-month review period, it would be the second ratings agency to strip Brazil of its investment-grade status, following a cut by Fitch Ratings in October.

    A second downgrade to junk is likely to trigger capital outflows because many foreign pension funds and other large investors are required to unload bonds once two separate agencies rate them as speculative grade.

    Moody's said it had taken the decision due to "rapidly and materially deteriorating macroeconomic and fiscal trends and diminished likelihood of trend reversal in the next 2-3 years."

    Economic data last week showed Brazil's economy contracted 4.5 percent in the third quarter from a year earlier, confirming the worst recession in 25 years as investment plunged and inflation jumped above 10 percent per year.

    Moody's said it also based its decision on "worsening governability conditions and increased risk of policy paralysis," after Congress opened impeachment proceedings against President Dilma Rousseff, who has struggled to pass an unpopular austerity package. (Reporting by Brad Haynes; Editing by Sandra Maler)
    http://www.reuters.com/article/brazi...13Y52J20151209

  5. #5
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,992

    Angry


    Day's Range 3.7177 - 3.8220

  6. #6
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,992

    Moody’s coloca rating do Brasil em observação para possível corte

    09/12/2015 às 18h13

    A agência de classificação de risco Moody’s colocou o rating soberano do Brasil em revisão para possível rebaixamento, citando a piora na governabilidade e o aumento do risco de uma paralisação política. A agência agora irá se focar em analisar a trajetória da dívida pública, levando em consideração a evolução do processo de impeachment.

    A Moody’s também citou a rápida e significativa deterioração econômica e fiscal e a pequena probabilidade de uma reversão nos próximos dois ou três anos. A nota do país é “Baa3” e estava em perspectiva estável.

    “Durante a revisão a Moody’s irá avaliar a probabilidade de deterioração adicional na posição fiscal do governo em relação às premissas básicas da agência que suportam o rating atual Baa3, e a perspectiva de uma alta mais rápida e significativa na trajetória da dívida do governo, no contexto de maior incerteza política, queda na confiança do investidor e recessão mais profunda que a esperada”, diz a agência em comunicado.

    Na avaliação da agência, uma reviravolta no desempenho econômico e fiscal do Brasil em 2016 parece improvável e as projeções da Moody’s para a economia agora parecem estar sob risco.

    “A iniciação do processo de impeachment contra a presidente no início de dezembro coloca dúvidas adicionais sobre a perspectiva de cooperação entre o Congresso e a presidente para aprovar medidas significativas de consolidação fiscal em 2016.”
    http://www.valor.com.br/financas/435...possivel-corte

  7. #7
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,992

    Moody's corta nota de crédito da Petrobrás




    Francine De Lorenzo - O Estado de S.Paulo
    09 Dezembro 2015 | 20h 10

    A agência de classificação de risco Moody's cortou o rating da Petrobrás de Ba2 para Ba3, e revisão para possível novo rebaixamento. Tanto Ba2 quando Ba3 já representam grau especulativo (junk).

    O perfil de risco da empresa foi rebaixado de b2 para b3.

    Em comunicado, a Moody's informa que o rebaixamento reflete o elevado risco de refinanciamento da Petrobrás, dada a deterioração das condições do setor, que torna ainda mais difícil levantar caixa por meio da venda de ativos. O aperto nas condições de crédito a empresas no Brasil e para a indústria do petróleo, a magnitude de eventuais necessidades de financiamento da companhia e o fluxo de caixa negativo contribuem para esse cenário.
    http://economia.estadao.com.br/notic...as,10000004391


    Ver também: Deutsche Bank questiona balanço maravilha da Petrobrás
    Última edição por 5ms; 09-12-2015 às 21:30.

  8. #8
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,992

    Gabrielli diz que Petrobras vai ter de 'depreciar valores' para vender ativos

    Presidente da Petrobras de 2005 a 2012, durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva e em parte do primeiro mandato de Dilma Rousseff, José Sérgio Gabrielli publicou artigo no qual questiona as chances do atual presidente da companhia, Aldemir Bendine, ter sucesso em seu plano de venda de ativos. No texto, publicado no blog "Diálogo Petroleiro" e replicado por Gabrielli em sua página no Facebook, ele questiona: como é que a Petrobras vai conseguir vender ativos de US$ 15 bilhões até 2016 e mais 32 bilhões até 2019?".

    O economista, que hoje atua como professor na Universidade Federal da Bahia (UFBA), argumenta que, assim como a Petrobras, outras petroleiras, potenciais interessadas nos bens da estatal, estão com os seus caixas esvaziados, por causa do baixo preço do petróleo, e também colocaram seus bens à venda. Para vencer a concorrência, acrescenta, a tendência é que a Petrobras deprecie o valor do seu patrimônio. "Nessas circunstâncias, é muito difícil implementar um plano de grande volume de desinvestimento, sem depreciar o valor dos ativos da empresa que vende", afirmou.

    Gabrielli liderou o projeto de internacionalização da empresa e expansão das atividades por todos os elos da cadeia produtiva. A estratégia era inversa à adotada hoje pelo atual presidente, Aldemir Bendine, que pretende concentrar a atuação da companhia na área de exploração e produção de petróleo e gás natural.

    A diretoria da Petrobras está empenhada em encontrar compradores. No mês passado, dias após divulgar o balanço financeiro do terceiro trimestre, um grupo de executivos da empresa, liderado pelo diretor Financeiro, Ivan Monteiro, viajou à Europa atrás de investidores. Em coletiva de imprensa para apresentar o resultado até setembro, Monteiro garantiu que, apesar das dificuldades da indústria, são muitos os interessados na Petrobras.

    Para quem depende de novos investidores, como a Petrobras, o cenário piorou por conta da crescente campanha contrária ao negócio de combustíveis fósseis, diz ele. "Segundo a consultoria Arabella, que acompanha este movimento, houve um grande aumento no número e tamanho das instituições que decidiram se afastar dos investimentos em combustíveis fósseis, passando de 181 para 436 instituições, com ativos que variaram de US$ 50 bilhões a US$ 2,6 trilhões de ativos entre setembro de 2014 e setembro de 2015", argumentou.

    Ele citou o caso de um fundo de pensão dos servidores municipais da cidade de Oslo, na Noruega, com mais de US$ 9 bilhões em seu portfólio, que, sob pressão do Partido Verde, decidiu não investir mais em petroleiras. Apenas empresas que apostam na recuperação do preço do petróleo no curto prazo e que pretendem ganhar com a desvalorização das ações das petroleiras e também da depreciação dos seus ativos devem demonstrar interesse no patrimônio da Petrobras, segundo Gabrielli.
    http://www.istoedinheiro.com.br/noti...-ativos/323352

  9. #9
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,992

    Governo teme que Fitch retire selo de bom pagador do Brasil até janeiro


    VALDO CRUZ
    DE BRASÍLIA
    10/12/2015 02h00

    O governo Dilma teme que a agência de classificação de risco Fitch retire do Brasil o selo de bom pagador até o próximo mês, ainda antes que a Moody's, cuja decisão deve ser tomada num prazo de três meses.

    O rebaixamento deve gerar uma saída de moeda estrangeira do país.

    Segundo assessores presidenciais, a Fitch já sinalizou para a equipe econômica que está próxima de rebaixar a nota brasileira.

    A Folha apurou que, depois que a Fitch colocou a nota brasileira a um passo da perda do grau de investimento (perspectiva negativa), em outubro, a Secretaria do Tesouro Nacional havia conseguido adiar em dois meses qualquer decisão da agência.

    Durante a trégua, o governo esperava aprovar medidas para melhorar as contas públicas. A situação econômica e política, porém, se deteriorou rapidamente.

    Com um novo rebaixamento, o Brasil estará classificado como investimento de risco por duas agências –a Standard & Poor's já retirou do país o grau de investimento e ameaça, inclusive, fazer novos rebaixamentos.

    Alguns investidores, como fundos de pensão, são obrigados, por suas regras, a tirar suas aplicações de países que perdem o selo de bom pagador de duas agências.

    Analistas de mercado calculam que esse cenário poderá levar a uma saída de algo entre US$ 2 bilhões a US$ 5 bilhões a depender do quadro político do momento, provocando pressões sobre a cotação do dólar no Brasil.

    Como termo de comparação, o fluxo cambial neste ano, até a primeira semana deste mês, era de US$ 11,9 bilhões, segundo o Banco Central. No ano de 2014, o fluxo cambial foi US$ 4,3 bilhões.

    CENÁRIO PREVISÍVEL

    Assessores presidenciais avaliam que o risco de a Fitch rebaixar a nota brasileira é elevado, já que o governo deve fechar o ano sem condições de demonstrar força para aprovar medidas que garantam um superavit primário de 0,7% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2016.

    Para assegurar esse resultado, o governo propõe entre outras medidas recriar a CPMF (imposto sobre movimentação financeira), o que encontra forte resistência por parte dos parlamentares. A repatriação de recursos de brasileiros no exterior que foram remetidos sem o pagamento de imposto é outra medida pendente de aprovação.

    A equipe econômica está pessimista, diante do agravamento da crise política, quanto a conseguir aprovar qualquer medida de aumento de receita entre o final deste ano e o início do próximo.

    O início do processo de impeachment contra a presidente Dilma gerou uma paralisia nas votações, que já estavam praticamente interrompidas nas últimas semanas no Legislativo.

    O governo trabalha com um plano B caso não consiga aprovar as medidas no Legislativo. Seriam propostas que não precisam do aval do Congresso, como o aumento da Cide (contribuição que incide sobre combustíveis).
    http://www1.folha.uol.com.br/mercado...-janeiro.shtml

  10. #10
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,992

    BofA Merrill Lynch projeta câmbio de equilíbrio em R$ 3,85 em 2016

    "Deverá fechar 2016 em R$ 4,50". Boa notícia mesmo é a procura de investidores estrangeiros por ativos no Brasil. "O telefone não para. Digo que o cenário está ruim e eles contam que têm horizonte de dez anos".

    Maria Cristina Frias
    09/12/2015

    País vive recessão sem precedentes, diz economista do BofA Merrill Lynch



    O Brasil enfrenta a mais longa recessão da história e sem sinais de reversão desse quadro, segundo David Beker, chefe de economia e estratégia no Brasil do Bank of America Merrill Lynch.

    "Nem na Grande Depressão [de 1929], quando tivemos duas quedas consecutivas do PIB, ocorreu algo dessa magnitude, com dois anos de mais de 3% [de recuo do produto]", diz. Beker projeta declínio de 3,3% do PIB em 2015 e de 3,5% em 2016.

    "Vemos queda em todos os trimestres do ano que vem, menos no último, quando [a economia] começará a melhorar. Mas, olhando hoje, parece mais um desejo. O risco é de piorar ainda mais [as duas estimativas]."

    A economia nunca esteve tão alavancada quanto hoje, lembra. "Não podemos dizer como será essa desalavancagem porque nunca ocorreu no Brasil, mas vimos em outros países que [o endividamento] gera um PIB maior na alta e um menor na baixa." A deterioração econômica tem sido muito rápida, assinala.

    "O desemprego, que dobrou em pouco tempo, deverá continuar subindo até a metade do ano que vem. Está quase em uma fronteira, em que não gera mais inflação. Ela deverá cair para 6,4% em 2016, sem contar a Cide, que está ficando mais provável [e que elevaria o IPCA]."

    Além da queda da inflação e dos juros, que deverão encerra 2016 em 12.75%, Beker lista a desvalorização do real entre os fatores positivos.

    "O câmbio é o instrumento que temos para mudar esse modelo de crescimento. Ele voltou um pouco, o que foi ruim." O banco projeta um câmbio de equilíbrio em R$ 3,85 no ano que vem.

    "Deverá fechar 2016 em R$ 4,5." Boa notícia mesmo é a procura de investidores estrangeiros por ativos no Brasil. "O telefone não para. Digo que o cenário está ruim e eles contam que têm horizonte de dez anos. Muitos negócios já saíram."

    Quanto à perda do grau de investimento, já retirado pela S&P, não deverá tardar em outras duas agências de rating, que focam no comportamento da dívida pública.

    "A Moody's havia dito que o início do processo de impeachment geraria incerteza. É provável que mude a perspectiva para negativa no curto prazo e tire o grau até a próxima visita ao país, em meados de 2016. Na Fitch, o rebaixamento poderá ocorrer já no primeiro trimestre."
    http://www1.folha.uol.com.br/colunas...ll-lynch.shtml

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •