Página 1 de 2 12 ÚltimoÚltimo
Resultados 1 a 10 de 12
  1. #1
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,990

    Backup de dados da Odebrecht é no ... Panamá

    Odebrecht destruiu todos os e-mails de ex-executivos investigados

    O chefe de TI da empresa disse que por ter uma caixa de e-mail de mais de 10GB, Marcelo Odebrecht não teria à disposição backup de seu e-mail.



    Thiago Herdy
    08/03/2016

    A Odebrecht destruiu todos os e-mails de ex-executivos como Marcelo Odebrecht, ex-presidente e herdeiro do grupo, Fernando Migliaccio e Hilberto Silva. Os três são processados na Lava-Jato por seus vínculos com a empresa. A Polícia Federal descobriu não ser possível obter os dados dos e-mails ao cumprir de mandado de busca e apreensão na penúltima fase da operação, no fim de fevereiro.

    Até aqui, os investigadores tinham tido acesso a fragmentos da caixa de mensagens, e alguns dos e-mails foram usados como provas em ações penais da Lava-Jato. Ao tentar obter a íntegra das caixas, os agentes foram informados pelo chefe do setor de tecnologia da informação da empresa, Alessandro Tomazela, de que as contas “não foram localizadas no servidor”. Segundo ele, pela falta de vínculo empregatício de Odebrecht, Silva e Migliaccio com a empresa nos dias de hoje.

    Em dezembro de 2015, Marcelo Odebrecht se afastou da presidência da holding e de cargos em conselho. O executivo é acusado de integrar organização criminosa, de lavagem de dinheiro e de corrupção relacionada ao pagamento de propina na Petrobras.

    Silva deixou a empresa em 2015, quando descobriu-se ser ele o responsável pela abertura de conta no exterior usada para pagar propina. Migliaccio exercia função semelhante e foi preso por autoridades suíças, quando tentava limpar um cofre no país.

    Em depoimento, Tomazela negou ter apagado as caixas e informou que o backup dos dados fica no Panamá. O funcionário disse, ainda, que por ter uma caixa de e-mail de mais de 10 gigabytes, Marcelo Odebrecht não teria à disposição backup de seu e-mail.

    A polícia teve acesso à caixa de outros funcionários, como a da secretária Maria Tavares, copiada em mensagens sobre a entrega de “acarajés”, suposta senha para “propina”. O GLOBO perguntou à Odebrecht se as caixas foram apagadas por causa da Lava-Jato, mas a empresa não respondeu. Em nota, informou ter colaborado “com as diligências determinadas pela Justiça, que ocorreram sem incidentes".
    http://oglobo.globo.com/brasil/odebr...gados-18826104
    Última edição por 5ms; 08-03-2016 às 10:32.

  2. #2
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,990
    Para você ver como a Microsoft não sabe nada, oferecendo contas com 50 GB por tostões.

    Dito isso, gostei muito da matéria e da alegação. Venho há tempos tentando convencer a presidenta da 5ms Corporation a reduzir a conta de e-mail dela para meros 200GB. Com o Marcelinho, coitado, filho-do-dono e (ex)presidente da Odebrecht, com 10GB e sem direito à backup quem sabe eu consiga sensibilizá-la, ou pelo menos reduzir o número de backups em 10 servidores em 3 paises ... para 1 VPS no Panamá.
    Última edição por 5ms; 08-03-2016 às 10:44.

  3. #3
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,990

    Odebrecht: "só é feito o backup de e-mails com até 3 GB"

    Especialistas ouvidos dizem que a explicação é pouco crível: quanto mais alto é o cargo de responsabilidade, maior costuma ser o espaço de armazenamento dos e-mails.

    Sobre a remoção da conta, a empresa disse que Marcelo Odebrecht se afastou da presidência do grupo e "foram colocados em prática os procedimentos de desligamento, como ocorre com qualquer integrante na mesma situação."

    mesma situação = prisão?


    GRACILIANO ROCHA
    ENVIADO ESPECIAL A CURITIBA
    08/03/2016 02h00

    A conta de e-mail "mbahia", utilizada por Marcelo Odebrecht, "sumiu" e não pode ser recuperada por falta de "backup" nos servidores do grupo Odebrecht.

    Esta foi a justificativa do chefe de Tecnologia de Informação do conglomerado, Alessandro Tomazela, para não cumprir ordem judicial para entregar cópia de todas mensagens relacionadas à conta de Odebrecht, preso desde junho de 2015.

    Os computadores que armazenam os e-mails do grupo ficam no Panamá, mas Tomazela, que tem acesso remoto aos servidores, disse que não encontrou os registros da conta do dono da empreiteira nem nos backups. Ele nega que tenham sido apagadas.

    O chefe de tecnologia não ofereceu uma explicação clara para o sumiço dos arquivos da mbahia (a conta existia até 31 de janeiro). Ele afirma que dados de e-mails são automaticamente excluídos quando alguém se desliga da Odebrecht sem que o setor de recursos humanos notifique o setor de tecnologia.

    Tomazela foi ouvido em São Paulo, no dia 22 de fevereiro, dia em que a PF deflagrou a fase Acarajé da Operação Lava Jato, que tinha o marqueteiro do PT João Santana como alvo. No depoimento, ele disse que só é feito o backup de e-mails com até 3 GB. Contas com mais de 10 GB não têm backup.

    Especialistas ouvidos dizem que a explicação é pouco crível: quanto mais alto é o cargo de responsabilidade, maior costuma ser o espaço de armazenamento dos e-mails.

    O "sumiço" atingiu outras duas contas, que pertencem a Fernando Migliaccio e Hilberto Mascarenhas –executivos suspeitos de serem os operadores das offshores que fizeram pagamentos ao marqueteiro João Santana e a executivos da Petrobras em contas secretas na Suíça.

    Migliaccio foi preso na Suíça em fevereiro por tentar encerrar contas naquele país.

    Já Mascarenhas figura como controlador de contas suíças em nomes de offshores usadas pela Odebrecht, segundo as investigações.

    Procurada, a empresa disse que Marcelo Odebrecht se afastou da presidência do grupo em 9 de dezembro e que depois disso "foram colocados em prática os procedimentos de desligamento, como ocorre com qualquer integrante na mesma situação."

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2...do-grupo.shtml

  4. #4
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,990

    Dia Internacional da Mulher versão Odebrecht



    por Talita Duvanel
    08/03/2016

    Esta linda modelo da foto foi a grande escolhida pela L'Oréal Paris para celebrar o Dia Internacional da Mulher. Ela seria apenas mais uma mulher bonita no mundo da moda se não fosse um pequeno detalhe.

    Valentina Sampaio ganhou o posto de representante feminina nessa ação especial da marca, que visa a mostrar que ser mulher é muito mais que um anotação na carteira de identidade. É uma questão de luta, de conquista e principalmente de busca incessante por liberdade e respeito.

    A modelo cearense, que desde pequena se sentia uma menina no jeito de andar, vestir e pensar, hoje conseguiu ser reconhecida como a mulher que ela sempre foi. E nada mais importante nesse dia do que todas as mulheres se reconheceram em suas formas e se orgulharem do que são.

    Feliz dia 8 de março!

    http://blogs.oglobo.globo.com/ela-de...ransexual.html

  5. #5
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,990

    Moro condena Marcelo Odebrecht a 19 anos de prisão

    08/03/2016

    (atualizada às 12h29) O juiz federal titular da Operação Lava-Jato em Curitiba, Sergio Moro, condenou o empresário Marcelo Odebrecht, herdeiro do grupo empresarial, a 19 anos de prisão por 11 crimes de corrupção ativa por pagamentos ilícitos de R$ 108,8 milhões e US$ 35 milhões a funcionários da Petrobras. “Um único crime de corrupção envolveu pagamento de cerca de R$ 46,7 milhões”, afirma o juiz na sentença.

    Odebrecht, preso preventivamente desde 19 de junho do ano passado, também foi condenado, sem atenuantes, por lavagem de dinheiro envolvendo US$ 16,2 milhões e 1,9 milhões de francos suíços, e por associação criminosa. As penas acumuladas chegam aos 19 anos e 4 meses de reclusão.

    A decisão, de primeira instância, pode ser confirmada ou revista parcial ou integralmente pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-3). Se confirmada pela corte, Odebrecht passará ao cumprimento de condenação em regime fechado no sistema prisional, conforme entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) firmado em 17 de fevereiro.

    O juiz decidiu que Marcelo Odebrecht deve ficar preso preventivamente durante a fase de recurso, porque há indícios de pagamentos de valores “para contas secretas no exterior controladas por João Santana e até mesmo a agentes públicos estrangeiros (...) Surgiram ainda indícios de que a Odebrecht teria, após o início da Operação Lava-Jato, enviado para o estrangeiro dois de seus executivos mais diretamente relacionados à gestão das contas secretas no exterior e que receberiam ordens de movimentação dos ora condenados”. Santana, marqueteiro das campanhas presidenciais de Dilma Rousseff e de Luiz Inácio Lula da Silva, está preso preventivamente por indícios de lavagem de dinheiro, assim como a mulher e sócia dele, Monica Moura.

    Na mesma ação, o juiz também condenou outros implicados nas investigações sobre o esquema de desvios de recursos da Petrobras: os executivos Márcio Faria da Silva, Rogério Santos de Araújo, Cesar Ramos Rocha e Alexandrino de Salles Ramos de Alencar; e os ex-diretores da Petrobras Renato Duque, Pedro José Barusco Filho, Paulo Roberto Costa, assim como o doleiro Alberto Youssef.

    A ação é movida pelo Ministério Público Federal e pela Petrobras, baseada nos inquéritos resultantes das investigações da Lava-Jato. Na sentença, Moro relembra o caso, descrevendo a denúncia de que a Odebrecht, juntamente com outras empreiteiras, formaram um "clube" para dividir entre si as licitações da estatal, com superfaturamento dos contratos. Os recursos eram usados, segundo a investigação, para pagar "vantagem indevida aos dirigentes da Petrobras" - entre eles Paulo Roberto Costa, Renato Duque e Pedro Barusco, que recebiam um percentual do valor do contrato.

    Marcelo Odebrecht, Rogério Araújo, Márcio Faria da Silva, Cesar Rocha e Alexandrino Alencar figuram no processo por terem sido executivos do grupo e se envolvido diretamente no esquema das propinas. Os ex-executivos da Petrobras, por terem se beneficiado. E Youssef por intermediar os pagamentos.

    No caso de Marcelo Odebrecht, o juiz afirma que os crimes de corrupção envolveram, ao todo, pagamento de R$ 108,8 milhões e US$ 35 milhões "aos agentes da Petrobras". O custo da propina, diz Moro, foi repassado aos contratos com a estatal, que amargou prejuízo. "A corrupção com pagamento de propina de mais de uma centena de milhões de reais e tendo como consequência prejuízo equivalente aos cofres públicos merece reprovação especial", escreve o juiz em sua sentença. O crime de lavagem de dinheiro foi cometido, segundo o juiz, com o uso de contas do Grupo Odebrecht no exterior e de contas secretes em nomes de off-shores, envolvendo ao todo US$ 16,2 milhões e 1,9 milhão de francos suíços.

    Márcio Faria da Silva e Rogério Santos de Araújo também foram condenado a 19 anos e 4 meses de reclusão, pelos mesmos crimes, tendo como base a mesma argumentação usada para Marcelo Odebrecht. Cesar Rocha recebeu pena de 9 anos e 10 meses. Segundo o juiz, Rocha não tinha cargo de chefia e agiu como subordinado nos cinco crimes de corrupção a ele atribuídos. Alexandrino Alencar foi condenado a 15 anos e 7 meses, pelos mesmos crimes, sendo que a ele foi imputado pagamento de US$ 35 milhões à diretoria de Abastecimento da Petrobras e depósito de dinheiro em contas no exterior indicadas por Youssef.

    O ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, já condenado por corrupção na Lava-Jato, foi sentenciado a 20 anos, três meses e 10 dias de reclusão, pelo recebimento de R$ 54,4 milhões pela diretoria da estatal. “Um único crime de corrupção envolveu pagamento de mais de R$ 20 milhões em propinas”, ressaltou o magistrado em seu despacho.

    O juiz suspendeu o andamento do processo contra o ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa, o doleiro Alberto Youssef e o ex-gerente da área de Serviços e Engenharia da petrolífera Pedro Barusco, porque os três celebraram acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal.
    http://www.valor.com.br/politica/447...anos-de-prisao

  6. #6
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,990

    Construtora Odebrecht triplicou patrimônio entre 2003 e 2014

    Crescendo de década em década, a empreiteira viveu seu melhor momento econômico no governo petista, quando o patrimônio da empresa triplicou.

    Durante o governo Dilma Rousseff, a construtora se notabilizou como a empresa privada que mais recebeu recursos direto do governo federal em dois anos seguidos: 2012 e 2013.

    Em 2014, a construtora caiu para segunda colocação de empresas favorecidas pelo governo federal, atrás do Itaú.



    Carlos Madeiro
    08/03/2016

    Existente há 71 anos, o grupo Odebrecht surgiu na Bahia e ganhou o país com obras de grande porte. Entre as empresas do grupo está a construtora Norberto Odebrecht, que entre 2003 e 2014 triplicou o seu patrimônio líquido e é hoje a maior empreiteira em faturamento e patrimônio do país.

    Nesta terça-feira (8), o ex-presidente e herdeiro do grupo, Marcelo Odebrecht, foi condenado a 19 anos e quatro meses de prisão pelo juiz Sérgio Moro por corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Ele --que está preso desde junho de 2015-- e três executivos foram condenados por oferecer vantagens para obter contratos de R$ 12,6 bilhões em obras do Comperj (Complexo Petroquímico do Rio), refinaria Abreu e Lima (PE) e da refinaria Getúlio Vargas (PR).

    Segundo dados do portal da CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), com base no ranking de construtoras da revista "O Empreiteiro", a empresa viu seu patrimônio líquido subir de R$ 3,01 bilhões, em 2003, para R$ 9,14 bilhões, em 2014 –em valores correntes de fevereiro de 2016. Os dados de 2015 não foram divulgados.

    Em termos de patrimônio, a empresa ganhou a liderança nacional em 2009 quando o patrimônio líquido da empresa alcançou R$ 4,4 bilhões --também em valores corrigidos.

    Desde 2003, quando a CBIC disponibiliza dados, a empresa sempre foi a que mais faturou no país. Em 2012, a empresa teve o maior faturamento da série histórica, com R$ 12,3 bilhões (também em valores atualizados).

    Recursos públicos

    Durante o governo Dilma Rousseff, a construtora se notabilizou como a empresa privada que mais recebeu recursos direto do governo federal em dois anos seguidos: 2012 e 2013.

    Nesse biênio, a empreiteira liderou a lista, segundo dados portal da Transparência. Em 2012 --maior valor recebido entre todos os anos do governo petista-- foram pagos R$ 1,43 bilhão por obras públicas, em valores atualizados. Nesse período, a construtora se notabilizou pela construção de arenas para a Copa do Mundo, como em São Paulo, Pernambuco e Bahia. A empreiteira chegou, naquele ano, a ter 139 mil empregados.

    Em 2014, a construtora caiu para segunda colocação de empresas favorecidas pelo governo federal, atrás do Itaú.

    História e expansão

    A história da empresa começou em 1944 em Salvador. Foram obras importantes na capital baiana como o Teatro Castro Alves. Em 1961, a então construtora de porte estadual começou a se expandir para o Nordeste graças aos incentivos dados pela criação da Sudene (Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste).

    A empresa ganhou força no país com contratos dados pelo governo militar, em 1969. O ciclo começou naquele ano com a construção do edifício-sede da Petrobras, no Rio de Janeiro, do aeroporto do Galeão, do campus da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e da usina de Angra 1.



    Evolução da Odebrecht em números

    Patrimônio líquido

    2003 - R$ 3,01 bilhões
    2004 - R$ 3,82 bilhões
    2005 - R$ 3,43 bilhões
    2006 - R$ 2,55 bilhões
    2007 - R$ 2,83 bilhões
    2008 - R$ 3,95 bilhões
    2009 - R$ 4,46 bilhões
    2010 - R$ 5,58 bilhões
    2011 - R$ 6,5 bilhões
    2012 - R$ 7,44 bilhões
    2013 - R$ 7,96 bilhões
    2014 - R$ 9,14 bilhões


    Faturamento

    2003 - R$ 5,34 bilhões
    2004 - R$ 6,25 bilhões
    2005 - R$ 6,98 bilhões
    2006 - R$ 4,12 bilhões
    2007 - R$ 4,97 bilhões
    2008 - R$ 7,69 bilhões
    2009 - R$ 7,98 bilhões
    2010 - R$ 8,7 bilhões
    2011 - R$ 11,96 bilhões
    2012 - R$ 12,3 bilhões
    2013 - R$ 12,1 bilhões
    2014 - R$ 8,35 bilhões

    *Valores correntes de janeiro de 2016 corrigidos pelo IPCA
    Fonte: Revista "O Empreiteiro" / CBIC
    http://noticias.uol.com.br/politica/...003-e-2014.htm

    Por certo, o faturamento não inclui as obras no exterior, viabilizadas pelo dinheiro fácil do BNDES
    Última edição por 5ms; 09-03-2016 às 13:27.

  7. #7
    Super Moderador
    Data de Ingresso
    Sep 2010
    Localização
    Procurando...
    Posts
    4,106
    Citação Postado originalmente por 5ms Ver Post
    Crescendo de década em década, a empreiteira viveu seu melhor momento econômico no governo petista, quando o patrimônio da empresa triplicou.

    Durante o governo Dilma Rousseff, a construtora se notabilizou como a empresa privada que mais recebeu recursos direto do governo federal em dois anos seguidos: 2012 e 2013.

    Em 2014, a construtora caiu para segunda colocação de empresas favorecidas pelo governo federal, atrás do Itaú.


    http://noticias.uol.com.br/politica/...003-e-2014.htm

    Por certo, o faturamento não inclui as obras no exterior, viabilizadas pelo dinheiro fácil do BNDES
    não sei se quero entender isso...., mas que dinheiro o Itau recebeu do governo???
    Siga-nos em nosso twitter: @wht_brasil

  8. #8
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,990
    Citação Postado originalmente por Winger Ver Post
    não sei se quero entender isso...., mas que dinheiro o Itau recebeu do governo???
    Gastos Diretos por Favorecido (Pessoas jurídicas por atividade econômica)





    Total destinado pelo Governo Federal em âmbito nacional em 2014 - Aplicações Diretas: R$ 1.860.961.397.464,20
    Total destinado pelo Governo Federal em âmbito nacional em 2014 - Pessoas jurídicas por Atividade Econômica: R$ 257.617.638.736,75
    Atividade Econômica: ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS: R$ 169.862.094.604,52
    Subclasse Econômica: Bancos múltiplos, com carteira comercial: R$ 73.348.815.499,06
    Favorecido: ITAU UNIBANCO S.A. [EST UNIF]: R$ 1.213.002.866,85

    Detalhamento dos repasses para esse item (o ITAU consta em outros):

    http://www.portaltransparencia.gov.b...60701190000104
    Última edição por 5ms; 10-03-2016 às 09:30.

  9. #9
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,990




  10. #10
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    14,990
    O levantamento da noticia do UOL é grosseiro.

    Fuçando superficialmente nos recebimentos do Itau do governo federal, encontra-se de pagamentos de serviços bancários à inúmeros repasses para terceiros, inclusive valores vultosos de pagamentos para a Odebrecht, que provavelmente não foram contabilizados em dobro no portal e certamente não é receita do Itau, o que leva a crer que a Odebrecht faturou *muito* mais do que foi relatado na matéria -- o Portal da Transparência é opaco.

    Código:
    Documento: 	2014OB800001 	Tipo de Documento: 	Ordem Bancária (OB)
    Data: 	02/01/2014 	Tipo de OB: 	OBR DE SAQUE
    Órgão Superior: 	52000 - MINISTERIO DA DEFESA
    Órgão / Entidade Vinculada: 	52131 - COMANDO DA MARINHA
    Unidade Gestora Emitente: 	740002 - COORD-GERAL PROG. DESENV. SUBMAR. NUCLEAR
    Gestão: 	00001 - TESOURO NACIONAL
    Favorecido: 	60.701.190/0001-04 - ITAU UNIBANCO S.A.
    Valor: 	R$ 340,950,788.18
    
    Observação do Documento: 	PAGAMENTO NFS-E NR 1309 FAVORECIDO: CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT S/A DADOS BANCÁRIOS: BANCO ITAÚ AGÊNCIA: 0912 C/C: 13265-1
    Processo Nº: 	
    Categoria de Despesa: 	4 - Despesas de Capital 	Grupo de Despesa: 	4 - Investimentos
    Modalidade de Aplicação: 	90 - Aplic. Diretas (Gastos Diretos do Governo Federal)
    Elemento de Despesa: 	51 - OBRAS E INSTALACOES
    Detalhamento do Documento
    Empenho 	Subitem da Despesa 	Cancelamento / Estorno 	Convênio / Outros 	Valor (R$)
    2013NE000249 	91 - OBRAS EM ANDAMENTO 	Não 	0 	144,907,160.19
    2013NE000320 	91 - OBRAS EM ANDAMENTO 	Não 	0 	4,533,116.52
    2013NE000657 	91 - OBRAS EM ANDAMENTO 	Não 	0 	17,665,511.47
    2013NE000701 	91 - OBRAS EM ANDAMENTO 	Não 	0 	160,723,213.00
    2013NE000702 	91 - OBRAS EM ANDAMENTO 	Não 	0 	13,121,787.00
    http://www.portaltransparencia.gov.b...012014OB800001
    Última edição por 5ms; 10-03-2016 às 10:16.

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •