Resultados 1 a 4 de 4
  1. #1
    WHT-BR Top Member
    Data de Ingresso
    Dec 2010
    Posts
    18,573

    Bancos fecham cerco contra ‘Uber do câmbio'

    Em até 90 dias, instituições devem apresentar ao Banco Central um relatório que reforça as regras de compliance do setor.

    Renato Jakitas
    25 de janeiro de 2017

    No último dia 16, Daniel Lopes e Thiago Pereira se encontraram em uma loja da Starbucks no bairro do Brooklin, na zona de sul da cidade de São Paulo. Apertaram as mãos, procuraram uma mesa livre e, depois de um pouco de conversa, trocaram maços de dinheiro que retiraram quase ao mesmo tempo do bolso da calça. Lopes entregou US$ 500 e recebeu R$ 1,6 mil de Pereira. Conferiram os valores no meio de todo mundo, conversaram mais um pouco, despediram-se com um tapinha no ombro e saíram.

    Daniel Lopes e Thiago Pereira haviam se conhecido uma semana antes por meio de um aplicativo para smartphone que aproxima interessados em vender e comprar moedas estrangeira. Negociaram os valores por WhatsApp, acertaram um local que ficasse próximo do trabalho dos dois e concluíram a operação em uma segunda-feira, dentro da cafeteria.

    O dólar turismo havia fechado em R$ 3,08 para compra e R$ 3,40 para venda, fora as taxas, mas eles fizeram o câmbio em R$ 3,22 (a média simples entre os R$ 3,06 de venda e os R$ 3,38 de compra da cotação da sexta-feira anterior, quando bateram o martelo). “Acho que economizei uns 20% entre a comissão do banco e os impostos para o governo”, disse Pereira. “Foi a melhor coisa que fiz”, afirmou Lopes. “O dinheiro estava parado desde que voltei de viagem e passei para a frente da melhora maneira possível”, destacou ele, que voltou à pé para o trabalho, a exemplo de Pereira.

    Dada a naturalidade com que os dois paulistas concretizaram uma operação de câmbio no meio de uma cafeteria, pouca gente em volta se atentou para o que estava acontecendo.

    De olho. Mas, apesar de praticamente não deixar rastros, essa negociação informal de moedas vem sendo monitorada de perto pelas instituições que atuam dentro do modelo tradicional. A exemplo do que já fizeram os taxistas com o Uber, corretores imobiliários com o Airbnb e contadores com a startup brasileira Conta Azul, os bancos e as casas de câmbio pretendem fazer barulho junto às autoridades.

    Eles preparam um relatório em que demonstram os riscos que essas novas tecnologias trazem ao sistema financeiro, apontando vulnerabilidades no controle de lavagem de dinheiro e nas duras regras de governança corporativa do setor.

    “Vamos entregar um material para o Banco Central em mais ou menos 90 dias”, afirma a diretora de relações institucionais da Associação Brasileira de Corretoras de Câmbio (Abracam), Kelly Massaro. “Nossa intenção não é apontar nomes, mas apenas ressaltar as regras de compliance do mercado e, a partir disso, começar a acionar na Justiça aquelas empresas que não estão seguindo a legislação”, destaca a executiva.

    Segundo uma fonte próxima dos bancos, cerca de dez fintechs, como são chamadas as startups que atuam com soluções para o mercado financeiro, são monitoradas pela Abracam neste momento. Nem todas, contudo, foram classificadas como um risco para o setor. “Há algumas empresas que claramente oferecem oportunidades, como o desenvolvimento de novas tecnologias. Mas há algumas que simplesmente não podem operar”, diz o executivo de um grande banco nacional.

    Briga. A brasileira GoMoney encaixa-se neste segundo exemplo. A empresa atua no modelo “peer to peer lending” (P2P), que permite que pessoas troquem dinheiro entre si sem a intermediação de um banco (exatamente como Daniel Lopes e Thiago Pereira fizeram).

    O fundador Maurício Pires colocou a primeira versão da ferramenta na loja de aplicativos do Google, o Google Play, em dezembro de 2015 e, desde então, começou a registrar tráfego de compradores no País, na América Latina, nos Estados Unidos e na Rússia. “A gente está crescendo bem no exterior, por isso vamos inaugurar um escritório nos Estados Unidos em março”, conta o empresário, que hoje tem escritórios em São Paulo, Porto Alegre e sede operacional em Campinas.

    Até agora, Pires não foi procurado pela Justiça para explicar sua operação. Mas ele espera uma mudança nas próximas semanas. “Tenho informações de que os bancos estão preparando algo contra nosso negócio”, diz ele, que vê em sua expansão internacional uma espécie de seguro contra um possível ataque dos bancos. “Eu acredito em minha ideia, acho inviável as taxas do governo e os custos bancários para operações pequenas como as que realizamos, de US$ 200, US$ 500. Estou disposto até a ficar um tempo preso para mudar isso.”

    O plano do empresário brasileiro é repetir o sucesso de dois empreendedores da Estônia, Taavet Hinrikus e Kristo Kaarmann, que em 2011 criaram na Inglaterra a Trasnferwise, para facilitar o envio de valores ao exterior. Hoje, a empresa atua em 20 países, incluindo o Brasil, e tem valor de mercado que passa de US$ 1 bilhão. Entre seus investidores estão Richard Branson, dono da Virgin Group e do fundo de capital de risco Index Ventures, que já aportou recursos em empresas como Facebook, Skype e Dropbox.

    “A grande inovação da empresa é estruturar uma operação de movimentação de remessas internacionais, mas só usando contas locais, evitando assim os custos de uma operação entre países”, explica Guilherme Horn, consultor em tecnologia para o mercado financeiro. “O que a Trasnferwise faz tem cara de inovação, mas na verdade não é diferente do que um doleiro faz há décadas. E os doleiros também operam fora da lei”, afirma o diretor de câmbio de um banco multinacional.

    http://pme.estadao.com.br/noticias/p...01640417,0.htm

  2. #2
    Moderador
    Data de Ingresso
    Oct 2010
    Localização
    Rio de Janeiro
    Posts
    2,737
    Só que o boleto da Transferwise é emitido por um banco de câmbio, e não por uma empresa genérica... Esse aí tá jogando verde pra colher maduro.

  3. #3
    Louco pelo WHT Brasil
    Data de Ingresso
    Jan 2011
    Localização
    Aveiro, Portugal
    Posts
    163
    Citação Postado originalmente por cresci Ver Post
    Só que o boleto da Transferwise é emitido por um banco de câmbio, e não por uma empresa genérica... Esse aí tá jogando verde pra colher maduro.
    Concordo.

    Eu moro em Portugal e uso todos os meses a Transferwise para transferir dinheiro do Brasil para Portugal.

    Tenho muitos amigos aqui na mesma situação e que estão amando o Transferwise, funciona perfeitamente.

    Mas a nossa percepção aqui é que em determinado momento o governo brasileiro vai acabar com a "festa" da Transferwise, vão inventar algo.

    Eu e todos os meus amigos aqui, nao só em Portugal, mas na Alemanha etc - usávamos o Itaú e outros bancos para fazer transferência, pagando taxas e um cambio muito bom (para o Itaú!). E os bancos estao perdendo esta fatia.

    Espero estar errado, mas não vejo muito tempo de Transferwise no Brasil.

  4. #4
    Moderador
    Data de Ingresso
    Oct 2010
    Localização
    Rio de Janeiro
    Posts
    2,737
    Citação Postado originalmente por mindnet Ver Post
    Mas a nossa percepção aqui é que em determinado momento o governo brasileiro vai acabar com a "festa" da Transferwise, vão inventar algo.

    Eu e todos os meus amigos aqui, nao só em Portugal, mas na Alemanha etc - usávamos o Itaú e outros bancos para fazer transferência, pagando taxas e um cambio muito bom (para o Itaú!). E os bancos estao perdendo esta fatia.

    Espero estar errado, mas não vejo muito tempo de Transferwise no Brasil.
    Eu usava o Global Transfer do HSBC. Até o Bradesco comprar... Aí foi Transferwise mesmo.

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •