Com a modernização, operadora informa ganhos de escala para o roteamento e transporte de dados, sobretudo na entrega de vídeo e IPTV.

A operadora TIM anunciou nesta segunda (7) que está investindo R$ 1,3 milhão na migração de sua rede para o protocolo IPv6.

O novo projeto foi realizado em parceria com a Cisco e Promon Logicalis, que fizeram o planejamento técnico e a definição das ações para determinar padrões e configurar a rede e os sistemas.

“Com a preparação da rede IP para a nova versão do protocolo, a Intelig garante a expansão da quantidade de números de IP disponíveis e segue com a estratégia de expansão da base de clientes”, diz Claudio Merulla, responsável pela Rede de Transporte da TIM Brasil.

A necessidade de migração é mundial. O crescimento exponencial da internet e dos dispositivos conectados à rede está provocando um rápido esgotamento dos endereços na versão anterior do protocolo, o IPv4, e uma corrida das empresas para se adequarem à nova versão.

Para empresas de telefonia, a mudança para o IPv6 significa a continuidade e expansão dos serviços para atender à demanda crescente de serviços de voz e dados que consomem endereços IPs em maior escala.

Os IPs são utilizados para identificar os aparelhos eletrônicos, tais como, computadores, smartphones e tablets que trafegam dados na Internet e nas Intranets. O endereço IP para reconhecer cada dispositivo deve ser único e não se repetir na rede. Por isso, é necessária uma tecnologia que ofereça um maior número de endereços.

Os endereços do IPv6 – criados para suprir a carência de números livres do IPv4 – são distribuídos e controlados no Brasil pela entidade Registro BR. Já o IPv4 – composto por mais de 4,2 bilhões de números – é utilizado desde o início da comercialização da internet, na década de 1990, e com previsão de esgotamento em meados de 2012.

O IPv6 representa cerca de 340 trilhões de trilhões de trilhões de vezes o espaço disponível na versão anterior. Estima-se que ambos funcionem simultaneamente na internet por muitos anos. Mas, em longo prazo, a nova geração de protocolo deverá substituir a versão anterior.

TIM investe R$ 1,3 milh